Bush: "Irã é o principal patrocinador do terrorismo no mundo"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
George W. Bush.

13 de janeiro de 2008

Durante um discurso em Abu Dhabi, capital dos Emiratos Árabes Unidos, o Presidente dos Estados Unidos da América, George W. Bush, disse que o Irã é o principal patrocinador do terrorismo do mundo e que fortalecerá suas relações militares com os países do Golfo Pérsico para poder enfrentá-lo.

Bush afirmou que o Governo do Teherán gasta "centenas de milhões de dólares" para financiar grupos terroristas como Hamás, Jihad Islâmica, além de fornecer armas ao Talibán e às tropas xiitas no Iraque.

Em seu principal discurso durante excursão pelo Oriente Médio, Bush renovou a pressão sobre o Irã. Disse que este país intimida outras nações da região com seus mísseis e discurso "belicoso", e é "uma ameaça para a paz e estabilidade de seus vizinhos".

Bush também falou da importância da democracia em uma região governada por monarquias autocráticas. Durante décadas no Oriente Médio "negou-se o desejo de liberdade e justiça ... em nome da estabilidade", disse Bush. "A democracia é a única forma de governo que trata aos indivíduos com a liberdade e igualdade que têm direito", acrescentou o presidente, que reconheceu que "houve algumas mudanças na região" neste sentido. Bush salientou que a democracia leva à paz e à estabilidade.

No decorrer de seu discuro o presidente americano também falou sobre as negociações que visam pôr fim ao conflito entre palestinos e israelenses. Disse que a criação de um estado palestino "é a melhor garantia de paz" e que contribuirá para a segurança do Golfo Pérsico. "Chegou o momento de uma Terra Santa onde palestinos e israelenses vivem em paz", acrescentou.

Autoridades árabes adotaram medidas de segurança sem precedentes em todo o país para receber o Presiente George W. Bush. Em algumas avenidas estiveram estacionadas desde as primeiras horas da manhã dezenas de veículos blindados e outros automóveis das forças especiais antiterroristas. Estas medidas são incomuns nos Emirados, uns dos países mais seguros da região e que nunca foi alvo de grupos extremistas.

A segurança foi reforçada em todos os estados árabes incluídos na excursão de Bush, principalmente depois de uma recente chamada da Al-Qaeda a seus simpatizantes para que não recebessem o presidente americano "com flores, e sim com bombas e carros-bombas".

Segundo a Marinha dos Estados Unidos, ela perseguiu lanchas iranianas que se dirigiram a três de seus navios no Estreito de Ormuz e receou-se que elas poderiam fazer ataques suicidas.

Fontes