Brasileiros elegem deputados envolvidos em escândalos de corrupção

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de outubro de 2006

Brasil

Eleitores brasileiros elegeram parlamentares envolvidos em recentes escândalos de corrupção, apesar da gravidade de alguns casos e da cobertura feita pelos veículos de comunicação.

Candidatos investigados pela Polícia Civil, Polícia Federal, Ministério Público e Justiça Eleitoral, e/ou que renunciaram para não ser cassados e se candidataram conseguiram se re-eleger.

Segue abaixo uma lista de candidatos envolvidos em escândalos recentes e a situação de cada um depois das eleições do último Domingo (1):

Não conseguiram se reeleger

(Candidato/escândalo. Em parêntesis a votação do último candidato eleito.)

Nota: Por causa das regras eleitorais brasileiras que consideram também o voto na legenda é possível um candidato não ser eleito apesar de ter mais votos do que o último candidato eleito.

Conseguiram se reeleger

(Candidato/escândalo)

O primeiro colocado na Eleição para Deputado Federal em São Paulo foi Paulo Maluf que foi acusado de mau uso de dinheiro público por promotores de São Paulo e preso em 9 de setembro de 2005. Ele foi solto em outubro de 2005 depois de ter passado 40 dias na carceragem da Polícia Federal. Teve tempo de se candidatar e concorrer à eleição.

Mais afortunado foi o Sr Antonio Palocci Filho, indiciado pelos crimes de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, formação de quadrilha e peculato por causa da sua suposta participação num esquema de corrupção envolvendo as empresas de varrição contratadas quando era prefeito em Ribeirão Preto (SP). Agora que foi eleito deputado federal, a polícia encontrará dificuldades para investigá-lo porque este passa agora a contar com o privilégio da imunidade parlamentar.

Referências