Brasileiros defendem operação Lava Jato

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

Agência VOA

Desta vez não pedem afastamento do Presidente Michel Temer.

27 de março de 2017

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os brasileiros que pediram o impeachment da antiga Presidente Dilma Rousseff, mais uma vez, saíram às ruas das principais cidades no domingo, 26, para manifestarem apoio à Operação Lava Jato e protestarem contra a corrupção no país.

Em pelo menos 90 cidades, entre elas São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, os activistas fizeram um discurso que bate de frente com o dos parlamentares que os apoiaram no ano passado.

Entre as reivindicações também estavam o fim do foro privilegiado dos políticos e o repúdio à proposta de lista fechada nas eleições (modelo em que o eleitor vota numa lista de candidatos predefinida pelo partido).

A maioria dos movimentos faz críticas ao uso de recursos públicos em campanhas eleitorais e ao aumento do Fundo Partidário.

“A população está desarmada. Os bandidos, não”, disse a porta-voz do movimento Nas Ruas, Carla Zambelli.

Uma das organizadoras do movimento Vem Pra Rua, a médica Kátia Pegos, afirma que o Brasil precisa ficar livre da corrupção.

"Acima de qualquer coisa queremos o fim da corrupção. Tudo de ruim que tem acontecido no país na última instância aponta para a corrupção sistêmica do país. E na política não tem maior rato que o Lula", disse

Outro porta-voz do “Vem pra Rua”, o empresário Rogério Chequer, ressalta que os brasileiros precisam ter consciência do que está acontecendo no país.

“Não estou preocupado em levar mais pessoas do que no acto contra a reforma da Previdência. Estou preocupado em levar essas pautas para as ruas e deixar a população consciente com o que está acontecendo”, defendeu Chequer.

Apesar do tom crítico contra os políticos e ao Governo Federal, os principais grupos desta vez descartam adoptar o grito de “fora, Temer” no alto de seus carros de som.

O argumento é de que, por enquanto, não há provas do envolvimento directo do Presidente Michel Temer em actos ilícitos.

Fontes