Brasil vai propor o uso de mais moedas locais no comércio entre os países do Mercosul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

19 de julho de 2009

Brasil


O governo brasileiro pretende aprovar, no âmbito do Mercosul, a ampliação do sistema de pagamentos de moedas locais que já mantém com a Argentina. A decisão será submetida ao Conselho do Mercado Comum - instância máxima decisória do bloco – no próximo dia 23 , em Assunção, às vésperas da Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul.

O atual sistema, em vigor desde o ano passado, engloba o pagamento, em moedas locais, de comércio de bens. “Queremos expandir para permitir que outros pagamentos sejam feitos através dele como pagamentos previdenciários e exportações de serviços”, antecipou o diretor do Departamento do Mercosul do Itamaraty, ministro Bruno Bath.

O uso de moedas locais no comércio entre os países do Mercosul permite que sejam economizadas reservas internacionais em dólares e euros, que se tornam mais escassas em períodos de crise internacional. Estas moedas são consideradas fortes para as principais transações mundiais (comércio exterior, investimentos, empréstimos). O Brasil, por exemplo, tem reservas internacionais de US$ 209 bilhões.

A intenção do governo brasileiro é adotar o mesmo sistema com os demais parceiros do Mercosul – Uruguai e Paraguai. As conversas entre os bancos centrais já começaram.. “Esses contatos ainda estão em fase inicial, pois é um trabalho técnico bastante complexo, mas estamos avançando bem. Há muita vontade dos países em avançar”, afirma o diplomata brasileiro.

Os acordos com Uruguai e Paraguai, quando fechados, já incluirão a ampliação que está sendo proposta pelo Brasil. “Eles não precisariam passar pela primeira etapa, só cobrindo comércio de bens”, explica Bath.

Seminário sobre o tema foi realizado no dia 22 de abril,. em Montevidéu, com representantes de bancos centrais e ministérios de Economia dos países-membros da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi).

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati