Brasil não cumpre a Lei 10.639 que obriga o ensino da História e Cultura da África, diz Universidade

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

22 de agosto de 2009

Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil


Estudiosos da Universidade Federal de Minas Gerais desenvolvem no Brasil inteiro uma pesquisa para averiguar a aplicação da lei 10.639, que determina o ensino da história e cultura da África nas escolas brasileiras. Mas antes mesmo da conclusão do levantamento, que deve acontecer no fim deste ano, já é possível perceber que a lei, de 2003, não é cumprida na maioria das escolas. A informação é da coordenadora-geral de Diversidade e Inclusão Educacional da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação, Leonor de Araújo.

A idéia com a legislação era transformar os brasileiros, desde bem cedo, em povos mais conhecedores de suas origens o que melhoraria a convivência entre negros e brancos no país e, além disso, derrubaria obstáculos culturais que, muitas vezes, impendem uma aproximação real entre brasileiros e africanos. Na prática, no entanto, a aplicação da lei tem sido feita de forma isolada e precária por alguns professores de determinadas escolas do país. “O que nós precisamos é que a implementação ocorra em forma de sistema e envolva todos os atores necessários para que a lei seja implementada”, afirma Araújo. “Se não, fica uma ação pontual que não tem seguimento e que depende muito da boa vontade do professor e, implementar uma lei, não pode depender de boa vontade”, completa a coordenadora do Mec.

Leonor Araújo lembra que, seis anos depois de ser sancionada, grande parte das escolas brasileiras não trata a temática de forma mais ampla e acha que aplicar a legislação é dar palestras e seminários sobre assuntos étnicos raciais. A coordenadora evita afirmar que a lei 10.639 está só no papel, mas admite que não é possível falar em cumprimento da legislação em larga escala. “Alguns resultados acontecem mais isoladamente, mas a implementação da lei para ter qualidade e escala só vai acontecer se ela for encarada como política pública, processo que deve ser gerido pelos gestores.”

Para a responsável pela pasta da Diversidade e Inclusão Social nas escolas brasileiras a lei não vingou até agora por dois motivos principais: o racismo presente na sociedade e nas escolas brasileiras e a falta de professores com formação adequada para ensinar a cultura africana. Ela lembra que os docentes não podem ensinar o que não aprenderam. “Nós não temos a temática colocada na formação inicial dos professores brasileiros, então fica muito difícil um professor que não foi qualificado trabalhar com a temática”.

Araújo explica que a pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais tem o objetivo de fazer uma radiografia, mostrar como as secretarias estaduais e municipais de educação do país têm atuado com relação á implementação da lei e de identificar instituições que possam servir de exemplo de como colocar em prática o ensino e a cultura da África.

Para a coordenadora do MEC, o fato de a lei 10.639 não estar sendo aplicada no momento não significa, no entanto, que não será no futuro. “Nós sabemos que não vai acontecer do dia para a noite. Mas, o nosso objetivo é que o povo brasileiro passe a ter outra relação com os negros do Brasil com a África e com tudo isso que significa esta aproximação que o presidente Lula promoveu e que deve ser seguida por outros governos”. A coordenadora lembra ainda que “essa é uma lei para toda a sociedade brasileira, para que esta sociedade seja menos racista”.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati