Brasil e mais 23 países criticam recuo nas negociações em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aristóteles
Outras notícias sobre política


Agência Brasil

6 de novembro de 2009

O novo recuo nas negociações em busca de um acordo em Honduras levou representantes do Brasil e mais 23 países latino-americanos se manifestarem pela restituição do presidente deposto hondurenho, Manuel Zelaya, ao poder e em defesa de uma solução rápida e eficaz para o processo político. A Agência Brasil teve acesso a detalhes da reunião de ontem (5) em que os chanceleres se manifestaram duramente sobre o impasse no país vizinho.

A chanceler de Honduras, Patricia Rodas, denunciou a existência de “estado de repressão”. Segundo ela, as próximas horas serão decisivas. Rodas levantou dúvidas sobre a possibilidade de cumprir um acordo político. O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos, José Miguel Insulza, detalhou, durante o encontro de ontem, que o presidente de Honduras, Roberto Michelletti, havia anunciado a criação de um governo transitório.

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e os chanceleres que participam da 28ª Reunião Ministerial do Grupo do Rio, em Montego Bay (Jamaica), divulgaram documento condenando o recuo nas negociações.

“O que está em jogo é a democracia no continente e a credibilidade do sistema interamericano”, afirmou Amorim, no seu discurso. O chanceler se referiu ao acordo, firmado em 30 de outubro, com apoio das Nações Unidas, dos Estados Americanos e de outros organismos internacionais. “É indispensável o retorno de Zelaya em tempo hábil. O Brasil e muitos países da região não reconhecerão eleições sem que isso ocorra.”

Assim como Amorim, os chanceleres da Argentina, Venezuela e de Cuba foram contundentes nas suas intervenções. A presidente da reunião de ministros, a chanceler mexicana, Patrícia Espinosa, afirmou que a manifestação conjunta seria fundamental para consolidar a posição dos países em defesa da busca pela manutenção do acordo de outubro e o fim do impasse em Honduras.

O chamado Grupo do Rio é um mecanismo de coordenação política que reúne 24 países. Ainda hoje (6) os chanceleres se reúnem, mas com foco em questões, como as bases militares norte-americanas na Colômbia e as reações recentes do governo venezuelano.

Há 46 dias, Zelaya e um grupo de simpatizantes estão abrigados na embaixada do Brasil em Tegucigalpa (Honduras). A posição brasileira gerou polêmica e críticas. Mas em decorrência desta decisão, o governo do Brasil se mantém em defesa do retorno do presidente deposto ao poder e contrário a quaisquer atos associados à tentativa de golpe político.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati