Brasil: deputada Flordelis é indiciada pela morte do marido junto com sete filhos do casal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

24 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A pastora e deputada federal pelo PSD do Rio de Janeiro Flordelis virou ré formalmente hoje pela morte o marido, o também pastor Anderson do Carmo, morto a tiros em Niterói em 16 de junho de 2019. Também foram indiciados outras 10 pessoas, sendo sete filhos do casal, dos quais cinco foram presos hoje. Uma neta também foi presa e outros dois filhos já estavam na cadeia desde 2019.

Segundo a polícia, que investigava o caso desde a morte de Anderson, quando as primeiros indícios já indicavam para a participação da deputada e dos filhos no caso, o crime foi cometido porque Anderson controlava todo dinheiro da família, inclusive o do Ministério Flordelis, hoje rebatizado de Comunidade Evangélica Cidade do Fogo.

Na época do crime, Flordelis disse que o marido havia sido morto durante um assalto. Ela também chorou e disse estar muito abalada.

Ela não foi presa hoje por ter imunidade parlamentar, mas acabou expulsa de seu partido, o PSD.

Diversas tentativas de assassinato

De acordo com a polícia, o grupo familiar tentava assassinar Anderson desde meados de 2018, com o uso de veneno. A filha biológica de Flordelis, Simone, teria chegado a fazer pesquisas sobre cianeto na Internet, segundo as investigações.

Teria havido ao menos seis tentativas de assassinato por envenenamento e uma outra por emboscada, quando Anderson deveria ser morto a tiros por um assassino de aluguel. O crime só não aconteceu porque a vítima, na ocasião, trocou de carro, o que teria confundido o atirador.

Família perfeita era só fachada

Segundo a investigação e depoimentos de alguns dos mais de 50 filhos adotivos do casal, o tratamento dado a eles não era igual. Os filhos biológicos e os quatro primeiros a serem adotados, chamados de "primeira geração", tinham um tratamento melhor, como comida de melhor qualidade. Eles também viviam numa área restrita, no segundo andar da casa, onde havia geladeira, enquanto os 47 adotados depois viviam no primeiro andar, em áreas coletivas, onde comiam apenas pão sem manteiga no café da manhã e arroz, massa e salsicha no almoço e jantar. "O cenário surpreendeu investigadores e é bem diferente do que era relatado por Flordelis nas últimas décadas, de que era uma casa de amor e solidariedade", escreveu o G1.

Anderson chegou a ser namorado de Simone, uma das filhas biológicas de Flordelis do primeiro casamento, e era 16 anos mais jovem que a deputada.

Os envolvidos

Dos onze (11) indiciados, nove (09) são da família:

  • Flordelis: mandante; indiciada pelo crime de homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa majorada;
  • Flávio dos Santos Rodrigues (filho biológico de Flordelis): executor, preso desde 2019;
  • Lucas César dos Santos (adotivo): comprou a arma, preso desde 2019;
  • Marzy Teixeira da Silva (adotiva): presa hoje;
  • Simone dos Santos Rodrigues (filha biológica de Flordelis): presa hoje;
  • André Luiz de Oliveira (adotivo): preso hoje;
  • Carlos Ubiraci Francisco da Silva (adotivo): preso hoje;
  • Rayane dos Santos Oliveira (neta): presa hoje;
  • Adriano dos Santos Rodrigues (filho biológico de Flordelis): preso hoje;
  • Marcos Siqueira Costa (ex-PM): preso desde 2019;
  • Andrea Santos Maia (mulher do ex-PM Marcos): presa hoje.

Fontes