Brasil: Região Sul terá chuva volumosa esta semana; cidades do RS terão alívio após estiagem

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Os últimos dias não foram fáceis para partes da Região Sul. As chuvas persistentes e volumosas provocaram transtornos através de alagamentos, transbordamentos de córregos e deslizamentos de terra, que no último domingo (24), resultaram na morte de duas pessoas em Florianópolis.

Para esta semana, a atuação de um sistema de baixa pressão, associado à formação de um ciclone extratropical, entre a terça (26) e a quarta-feira (27) deixam em alerta o estado do Rio Grande do Sul (RS) e partes dos estados de Santa Catarina (SC) e Paraná (PR).

No RS, no entanto, a chuva vem em boa hora e deve aliviar a estiagem que já fez 117 cidades decretarem situação de emergência.

Alertas e destaques

  • A atuação de um cavado: o fenômeno provocará chuvas de moderadas a fortes em partes da região noroeste, norte e leste do RS, se espalhando depois para Santa Catarina e Paraná ainda hoje;
  • Ciclone extratropical: o fenômeno atuará a partir de amanhã (26), atingindo com força principalmente o noroeste do RS e o oeste de SC;
  • Temporais: amanhã à tarde o ciclone intensificará o cavado, o que causará temporais isolados e chuva intensa em todo RS até quarta-feira. O alerta também está vigente para o meio-oeste de SC e PR.

Alagamentos, deslizamentos e mortes em SC

Chuvas persistentes, de moderadas a fortes, desde a última semana causaram acumulados superiores a 250 mm na região de Florianópolis e também em boa parte do leste de Santa Catarina.

Diversas cidades, incluindo as do Vale do Itajaí, sofreram com alagamentos, inundações e deslizamentos.

Em Florianópolis duas pessoas de uma mesma família morreram soterradas por um muro que caiu devido a um deslizamento de terra.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com