Brasil: Ministério Público Federal de Goiás denuncia 81 pessoas por envolvimento em jogo ilegal, entre eles Carlinhos Cachoeira

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

19 de março de 2012

Goiás e Distrito Federal, Brasil — O Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) denunciou hoje (19) 81 pessoas ligadas à exploração de máquinas caça-níqueis em Goiás, entre elas o empresário Carlinhos Cachoeira, considerado pelo MPF como líder do esquema. O documento foi encaminhado à Justiça Federal em Goiás.

De acordo com a denúncia, o grupo explorava jogos de azar ilegalmente em Goiânia e no entorno de Brasília há mais de dez anos. O MPF também afirma que o negócio se mantinha com apoio de policiais militares, civis e federais, que organizavam “pseudoatuações” para fingir que combatiam o crime ou para eliminar concorrentes.

A peça acusatória tem 205 páginas e, segundo o MPF, é apenas a primeira das denúncias que serão oferecidas contra o grupo, com foco nos crimes de formação de quadrilha armada, corrupção, peculato e violação de sigilo, perpetrados por servidores públicos federais, estaduais e municipais.

O MPF pede reparação dos gastos estatais para combater a quadrilha, que, segundo a denúncia, teve várias tentativas frustradas devido ao vazamento de informações.

Os procuradores da República também pedem autorização para compartilhar informações do processo com o Ministério Público estadual e outros órgãos de fiscalização interna e externa para neutralizar a atuação da quadrilha.

Carlinhos Cachoeira[editar]

No mesmo dia em que foi iniciado, na tarde, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), começou a analisar o pedido de soltura do empresário, mas o julgamento foi suspenso horas depois por um pedido de vista sobre liberdade do empresário Carlinhos Cachoeira.

O habeas corpus de Cachoeira estava sob responsabilidade da Terceira Turma do TRF1, que tem três integrantes. O primeiro voto foi do relator, desembargador Fernando Tourinho Neto, pela rejeição do pedido de liberdade. Em seguida, a desembargadora Assusete Magalhães pediu vista do processo. Ainda falta votar o desembargador Carlos Olavo.

A Terceira Turma do TRF1 se reúne semanalmente às terças-feiras, e quinzenalmente nas segundas-feiras. O tribunal ainda não confirmou quando o julgamento será retomado.

Histórico[editar]

Carlinhos Cachoeira foi um das pessoas presas devido à Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, no dia 29 de fevereiro, que desmontou quadrilha que explorava máquinas caça-níqueis.

No entanto, o nome do empresário já é antigo da imprensa e a polícia desde 2004: Ficou conhecido nacionalmente em 13 de fevereiro de 2004 (coincidindo os 24 anos da fundação do Partido dos Trabalhadores), quando a revista Época revelou vídeo em ele conversava com o presidente da Loterj Waldomiro Diniz em que perde suborno e negociatas em troca de apoio político.

A denúncia leva o pedido de demissão de Diniz (que era sub-chefe da Casa Civil) e enfraquece José Dirceu, chefe da Casa Civil e amigo pessoal de Waldomiro Diniz por 10 anos. Após as denúncias e os que se seguiram, a oposição e até do próprio governo tentaram criar CPI. No entanto, contrariando a opinião pública e aos políticos que tentaram a CPI, Lula e os aliados decidiram não abrir a CPI, repetindo as velhas práticas condenáveis em que o PT na oposição sempre condenou.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati