Bolívia e Chile retomam hoje negociações para encerrar impasse sobre questão marítima

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

7 de fevereiro de 2011

Fronteiras de Bolívia, Peru e Chile, antes da Guerra do Pacífico, que retirou o acesso soberano ao Oceano Pacífico da antiga costa boliviana.

Os governos da Bolívia e do Chile retomaram hoje (7) as negociações na tentativa de encerrar o impasse sobre a ausência de saída para o mar do lado boliviano. Os ministros das Relações Exteriores da Bolívia, David Choquehuanca, e do Chile, Alfredo Moreno, reúnem-se em La Paz. A confirmação das negociações é da imprensa oficial da Bolívia, a Agência Boliviana de Informações (ABI).

Os esforços para retomar o diálogo são dos presidentes boliviano, Evo Morales, e chileno, Sebastián Piñera, que desde o ano passado articulam as conversas. As negociações são consideradas históricas porque desde 1978 as relações diplomáticas entre a Bolívia e o Chile estão suspensas em decorrência da falta de acordo sobre a questão marítima.

"Pela primeira vez, um ministro chileno de Negócios Estrangeiros vai para uma reunião bilateral, em La Paz", disse o cônsul da Bolívia em Santiago, Walker San Miguel. No final do século 19, em uma guerra com o Chile, a Bolívia perdeu 400 quilômetros de litoral, no Oceano Pacífico. Desde então, os dois países vivem o impasse sobre a questão marítima.

Em janeiro deste ano, o ministro Choquehuanca ameaçou levar a questão para o Tribunal de Haia recorrendo contra o Chile. Em 2010, Morales e Piñera criaram uma comissão formada por integrantes dos dois países com o objetivo de analisar o assunto.

Em outubro de 2010, o presidente do Peru, Alan García, ofereceu a Morales o direito de uso do Porto de Ilo para negociar a venda de gás, o trânsito livre de embarcações e condições de acesso por 99 anos. A iniciativa ameniza a ausência de saída para o mar por parte da Bolívia.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati