Blinken: Rússia está por trás de ciberataques contra a Ucrânia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

10 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Na terça-feira, o secretário de Estado Anthony Blinken fez uma declaração especial sobre os ataques cibernéticos contra a Ucrânia. “Os Estados Unidos e seus aliados e parceiros condenam a atividade cibernética destrutiva da Rússia”, enfatiza o documento.

Nos meses que antecederam a invasão russa da Ucrânia e, mais recentemente, a Ucrânia foi submetida a uma série de ataques cibernéticos deliberadamente devastadores.

Os Estados Unidos acreditam que foi a Rússia que esteve por trás do ataque cibernético maciço às redes comerciais de comunicações via satélite no final de fevereiro, quando as tropas russas invadiram a Ucrânia.

Na terça-feira, a UE e o Reino Unido anunciaram isso.

A declaração de Blinken observou que “o objetivo deste ataque cibernético era interromper o comando e controle da Ucrânia durante a invasão russa” e que os efeitos desse ataque foram sentidos em outros países europeus. Assim, os terminais de comunicação por satélite com uma pequena antena (VSAT) foram desativados na Ucrânia e em toda a Europa. São dezenas de milhares de terminais fora da Ucrânia, que, entre outras coisas, atendem turbinas eólicas e fornecem serviços de internet para indivíduos.

O governo dos EUA desenvolveu novos mecanismos para ajudar a Ucrânia a identificar ameaças cibernéticas e restaurar sistemas eletrônicos após ataques cibernéticos em massa.

Um documento separado do Departamento de Estado lista as medidas dos EUA para apoiar as comunicações e a segurança cibernética na Ucrânia.

Em particular, observa-se que o FBI informou os parceiros ucranianos sobre as operações cibernéticas dos serviços especiais russos, trocou informações sobre ameaças cibernéticas, métodos de investigação e respostas contra incidentes cibernéticos.

Os EUA também ajudaram a Ucrânia a encontrar e comprar hardware e software para proteger a rede. 6.750 dispositivos de comunicação de emergência foram transferidos para a Ucrânia, incluindo telefones via satélite e terminais de armazenamento de dados. Eles foram destinados a “provedores de serviços essenciais, funcionários do governo e operadores de infraestrutura crítica em setores-chave, como energia e telecomunicações”.

Fontes