Biden diz a Zelenskyy que os EUA estão aumentando o custo da guerra para a Rússia

Fonte: Wikinotícias

11 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O presidente dos EUA, Joe Biden, falou na sexta-feira por telefone com seu colega ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse a Casa Branca, atualizando-o sobre os movimentos dos EUA e aliados para aumentar ainda mais o custo da guerra para a Rússia. Biden também destacou “como os Estados Unidos continuam aumentando a segurança, a assistência humanitária e econômica à Ucrânia”.

No início da sexta-feira, Zelenskyy disse em um vídeo transmitido sem dar detalhes que seus militares chegaram a um “ponto de virada estratégico”.

“É impossível dizer quantos dias ainda precisaremos para liberar nossa terra, mas é possível dizer que o faremos porque... chegamos a um ponto de virada estratégico”, disse Zelenskyy.

Os Estados Unidos, a União Europeia e o Grupo dos Sete principais países industrializados suspenderão as relações comerciais normais com a Rússia em resposta à invasão da Ucrânia, anunciaram na sexta-feira.

Revogar o status comercial de “nação mais favorecida” da Rússia permite que os EUA e seus aliados iniciem o processo de aumento de tarifas sobre muitos produtos russos, enfraquecendo ainda mais a economia da Rússia, que o Fundo Monetário Internacional prevê que entrará em uma “profunda recessão” este ano.

Cada país deve mudar o status comercial da Rússia de acordo com seus próprios procedimentos nacionais, disseram autoridades dos EUA. Nos Estados Unidos, a medida exige um ato do Congresso, e legisladores democratas e republicanos sinalizaram seu apoio.

Os EUA e outros aliados impuseram anteriormente uma série sem precedentes de sanções e restrições bancárias e de exportação destinadas a pressionar o presidente russo, Vladimir Putin, a encerrar sua guerra contra a Ucrânia, a maior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Um alto funcionário de defesa dos EUA, falando sob condição de anonimato para discutir a inteligência, disse na sexta-feira que as forças ucranianas continuam montando uma defesa “adaptativa e ágil” que frustra as forças russas.

O funcionário também disse a repórteres que os EUA estavam vendo sinais de que as forças russas, e a força aérea russa em particular, estavam exibindo uma “aversão geral ao risco”, ao mesmo tempo em que mostravam sua inexperiência.

“Este não é um exército com grande capacidade expedicionária e experiência”, disse o funcionário. "Nada nesta escala."

Mas o funcionário também alertou que há indicações de que as forças russas estão aprendendo com seus primeiros passos em falso, com alguns elementos avançados lutando agora nos subúrbios do noroeste de Kiev, a 15 quilômetros do centro da cidade.

Outras grandes cidades, como Mariupol e Chernihiv, estão cada vez mais isoladas.

E os EUA confirmaram que a Rússia começou a atacar locais no oeste da Ucrânia – atingindo aeródromos em Lutsk e Ivano-Frankovsk na sexta-feira – parte de uma salva de mais de 800 mísseis lançados desde o início da invasão.

Um dia depois de Washington alertar Moscou sobre o que alguns observadores descreveram como crimes de guerra cometidos pelas forças russas na Ucrânia, a vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, disse durante uma visita à Romênia que Putin não mostrou disposição de buscar uma solução diplomática para o conflito.

Putin contestou a afirmação de Harris na sexta-feira, dizendo, sem oferecer detalhes, que houve desenvolvimentos positivos nas negociações com a Ucrânia e que as negociações “agora estão sendo realizadas quase diariamente.”

Fontes