Barbados decide se desvincular da monarquia britânica e virar uma república

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

16 de setembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Barbados iniciou um período de transição que durará pouco mais de um ano para virar uma república. A decisão foi divulgada hoje pela governadora geral, Sandra Mason.

O pequeno país da América Central é uma monarquia constitucional parlamentar hierárquica, cujo chefe de estado, historicamente, é o monarca britânico - atualmente a rainha Elizabeth II.

Segundo Mason, havia chegado a hora de Barbados se tornar autônoma, já que o país iria comemorar seu 55º aniversário de independência em 30 de novembro de 2021.

Tentativas de transformar Barbados numa república já haviam acontecido em 1966, logo após a independência do Reino Unido, e o primeiro primeiro-ministro, Errol Walton Barrow, advertiu que recentemente a população mostrava sua rejeição à monarquia ao atacar monumentos que lembravam a presença britânica no país. "Esse alerta [a destruição dos monumentos] é tão relevante hoje quanto o era em 1966. Tendo alcançado a independência há mais de meio século, nosso país não pode ter dúvidas sobre sua capacidade de autogoverno", enfatizou Barrow.

Além de Barbados e do Reino Unido, a rainha Elizabeth é a chefe de estado também de Antígua e Barbuda, Austrália, Bahamas, Barbados, Belize, Canadá, Granada, Ilhas Salomão, Jamaica, Nova Zelândia, Papua-Nova Guiné, Santa Lúcia, São Cristóvão e Nevis, São Vicente e Granadinas e Tuvalu.

Referências

Fontes