Banco Central norte-americano prevê alta dos juros até o fim do ano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Agência Brasil

15 de julho de 2015

A melhoria da situação econômica nos Estados Unidos deverá "justificar" uma alta das taxas de juros diretoras este ano, apesar das "incertezas" no cenário internacional, assegurou hoje (15) a presidenta do Federal Reserv (Fed), o Banco Central norte-americano, Janet Yellen.

"Se a economia evoluir como o previsto, a situação econômica deverá justificar, em algum momento deste ano, aumentar as taxas e começar assim a normalizar a política econômica", reafirmou Janet Yellen, em discurso no Congresso.

Desde 2008, o Fed mantém as taxas próximas de 0 para apoiar a atividade econômica, mas pretende aumentá-las, a partir de agora, na medida em que a atividade econômica norte-americana melhora e se aproxima de seus dois objetivos, que são pleno emprego e taxa de inflação próxima de 2%.

Ao evitar dar uma data precisa, Janet disse esperar que a alta ocorra até o fim deste ano e apelou para que não se "subestime" a importância desta decisão, em uma intervenção na comissão da Câmara dos Representantes norte-americana.

Segundo a dirigente do Fed, os dados do mercado de trabalho vão bem, apesar de certas fraquezas e a inflação anual, atualmente muito baixa nos Estados Unidos (0,2% em abril), deverá subir "progressivamente".

"As perspetivas são de melhoria no mercado de trabalho norte-americano e da economia em geral", resumiu Janet Yellen, advertindo para "incertezas" nos cenários interno e, sobretudo, internacional. "A situação no exterior, em particular, coloca riscos sobre a economia norte-americana", disse ela.

Sobre a Grécia, que chegou a um pré-acordo com seus credores na segunda-feira (13), para um novo plano de ajuda, a presidenta do Fed disse que a situação continua "difícil" apesar da recuperação "mais firme" do conjunto da zona euro.

Janet Yellen também advertiu para o caso da segunda maior economia do mundo, a China, que atravessa um período de fortes turbulências nas bolsas de valores. "A China continua a se debater com os desafios apresentados por uma dívida elevada, um mercado imobiliário fraco e condições financeiras voláteis."

A próxima reunião para analisar a política monetária do Fed está marcada para os dias 28 e 29 deste mês.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati