Bancários mantém greve

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Agência Brasil

29 de setembro de 2009

Os bancários de São Paulo, Osasco e região decidiram, em assembleia realizada no início da noite de ontem, permanecer em greve hoje (29). De acordo com o Sindicato dos Bancários, não houve uma nova proposta por parte dos bancos.

Na final da tarde de ontem (28), a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) emitiu nota afirmando que voltará a negociar com os bancários e que cuidará de marcar as datas das novas rodadas de negociação.

De acordo com o sindicato, mais de 39 mil trabalhadores estão parados em 805 locais de trabalho em São Paulo, Osasco e região.

Os bancários do Distrito Federal fazem manifestação na Esplanada dos Ministérios. A categoria está em greve em todo o país desde última quarta-feira (23). Foto: Renato Araujo/ABr

Em Brasília, depois de uma hora e meia de protesto na porta do Ministério da Fazenda, os bancários do Distrito Federal decidiram manter a greve que dura quatro dias. Segundo o Sindicato dos Bancários de Brasília, 97% das agências do Distrito Federal não abriram as portas ontem (28).

Em documento entregue ao secretário executivo adjunto da Fazenda, Francisco Franco, já que nem o ministro Guido Mantega nem o secretário-executivo, Nelson Machado, estão em Brasília, os grevistas reivindicam que os representantes do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal na Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) peçam a reabertura das negociações e apresentem uma nova proposta. A Fenaban é o braço da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) para questões trabalhistas.

Além de representantes do Sindicato dos Bancários, participaram do encontro o deputado federal Geraldo Magela (PT-DF) e a deputada distrital Erika Kokay (PT). Na saída da reunião, Magela informou que proporá a criação de uma comissão de parlamentares da base aliada para interceder pelo reinício das negociações e acompanhar a greve.

Em greve desde o dia 24, a categoria reivindica aumento salarial de 10%, participação nos lucros e resultados (PLR) de três salários mais R$ 3.850, proteção ao emprego e melhores condições de trabalho.

A proposta apresentada pelos banqueiros prevê reajuste de 4,5%, PLR de 1,5 salário reajustado, limitado a R$ 10 mil e a 4% do lucro líquido de 2009. As empresas que tiverem prejuízo neste ano não pagariam a PLR. A Fenaban oferece reajuste salarial de 4,5% , mais 5,5% de participação nos lucros.


Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati