Ban Ki-moon e funcionários da ONU manifestam indignação com atentado em Paris

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

7 de janeiro de 2015

ONU

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, e outros altos funcionários da ONU demonstraram sua indignação com o atentado terrorista praticado hoje (7) contra a sede do jornal satírico francês Charlie Hebdo, em Paris. Ao todo, 12 pessoas foram assassinadas e outras 11 ficaram feridas, sendo quatro em estado grave.

“Foi um crime horrível, injustificável e a sangue frio. Foi um ataque direto contra pilares da democracia: a imprensa e a liberdade de expressão”, ressaltou Ki-moon. O governo francês decretou luto de três dias no país e pediu unidade à população. Até o momento, os três assassinos fortemente armados que praticaram o atentado não foram encontrados.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, divulgou nota dizendo que ficou “horrorizada” com o “chocante ataque” contra o jornal francês e que seu coração está com as famílias das vítimas e com aqueles que foram feridos. Irina ressaltou que foi mais do que um atentado a pessoas. "É um ataque à mídia e à liberdade de expressão. A comunidade mundial não pode permitir que extremistas silenciem o livre fluxo de opiniões e ideias. Os responsáveis por esse ataque devem ser levados à Justiça, e a Unesco está ainda mais determinada a apoiar uma imprensa livre e independente.”

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, expressou sua preocupação de que o atentado gere um aumento da xenofobia e dos sentimentos contra imigrantes, que já são crescentes na Europa. A comoção causada pelo atentado motivou milhares de pessoas a se reunir espontaneamente em várias cidades da França para homenagear as vítimas, prestar solidariedade às famílias e repudiar o ataque - que já é apontado por alguns veículos de imprensa franceses como um dos mais graves de toda a história do país.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati