Balanço dos ataques do PCC impressiona

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
São Paulo, onda de crimes violentissimos nos ultimos dias

20 de maio de 2006

São Paulo, Brasil

A organização criminosa conhecida como Primeiro Comando da Capital (PCC) iniciou na sexta-feira passada (12) uma onda de ataques no Estado de São Paulo.

O Estado de São Paulo é o mais rico e desenvolvido do Brasil. Ele também é maior do que o Reino Unido, com uma população de quase 40 milhões contra 60 milhões desse último.

O número de mortos nos ataques ocorridos no Brasil, superaram em números as baixas em conflitos no Iraque e no Afeganistão.

Houve ataques contra ônibus, casa de policiais, bancos, metrô, num total de 293 ocorrências em todo o estado. Morreram 152 pessoas, das quais: 107 criminosos, 41 policiais ou agentes de segurança e 4 civis. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública segundo o último boletim divulgado quinta-feira (18). É provável que esse balanço sofra alterações.

Os ataques do PCC impressionaram não só pelos números, mas pela organização.

Os ataques foram cuidadosamente dirigidos contra alvos públicos e autoridades. Postos de polícia foram atacados com bombas e policiais foram pegos de surpresa na rua e executados covardemente. Agências bancárias e ônibus foram outros alvos preferenciais dos criminosos.

O PCC teve o cuidado de evitar baixas entre a população civil. Desde o início dos ataques morreram apenas 4 cidadãos comuns, alguns mortos porque provavelmente foram confundidos com policiais.

O terror se espalhou por praticamente todo o Estado de São Paulo. Na segunda-feira, os bandidos conseguiram provocar o fechamento do comércio, de escolas, universidades, shoppings centers e até de prédios públicos, como: fóruns e prefeituras.

A situação voltou praticamente ao normal nas cidades do Estado na terça-feira (16), depois que os chefes do PCC ordenaram o fim da revolta, em meio a suspeitas não confirmadas de que o governo do estado acatou algumas das reivindicações dos bandidos.

As rebeliões nos presídios foram controladas e a maior parte dos ataques terminou. Na capital e em algumas cidades bandidos continuaram a atacar ônibus e postos policiais depois de terça, mas num ritmo cada vez mais reduzido.


Balanço dos ataques do PCC no Estado de São Paulo

Números divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado no dia 18 de maio de 2006 [1].

Dados parciais e não definitivos.

Total de ataques: 293

  • Ônibus: 82
  • Casas de policiais: 56
  • Bancos e caixas eletrônicos: 17
  • Garagem de ônibus: 01
  • Estação de Metrô: 01
  • Correios: 01
  • Outros: 135

Criminosos: 231

  • Presos: 124
  • Mortos em confrontos: 107

Armas apreendidas pelas polícias Civil, Militar e Guarda Municipal: 146

Mortos: 45

  • Policiais Militares: 23
  • Policiais Civis: 07
  • Guardas Municipais: 03
  • Agentes de Segurança Penitenciária (ASP): 08
  • Cidadãos: 04

Feridos: 54

  • Policiais Militares: 22
  • Policiais Civis: 06
  • Guardas Municipais: 08
  • Agentes de Segurança Penitenciária (ASP): 02
  • Cidadãos: 16

Fontes