Baixo crescimento e inflação próxima do teto marcam economia em 2014

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

29 de dezembro de 2014

Brasil

Um crescimento próximo de 2% e uma inflação de 5,97%. Essas eram as estimativas das instituições financeiras, em janeiro deste ano, para a economia brasileira em 2014. Mas, segundo as perspectivas mais recentes, o país vai encerrar o ano com crescimento próximo de zero e com a inflação próxima ou até acima do teto da meta, de 6,5%. No fim de novembro, o Ministério da Fazenda reduziu para 0,5% a previsão oficial de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) e aumentou a projeção de inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para 6,45%.

No Relatório de Inflação, divulgado na semana passada pelo Banco Central (BC), o órgão estima crescimento ainda menor, 0,2%, e inflação de 6,4%. Mesmo assim, as projeções oficiais para o PIB podem ser consideradas otimistas diante das previsões do mercado. Na edição mais recente do boletim Focus, do BC, as instituições financeiras apostam em crescimento de 0,14% da economia. Para a inflação, a estimativa dos analistas de mercado está em 6,38%, um pouco abaixo das previsões oficiais.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) só divulgará o índice oficial de inflação de 2014 no início de janeiro e o crescimento do PIB em março. Até lá, caberá à nova equipe econômica pôr em prática o ajuste fiscal que prevê o corte de gastos do governo para elevar o superávit primário – economia para pagar os juros da dívida pública – para 1,2% do PIB. O plano pretende restaurar a credibilidade das contas públicas depois que a queda nas receitas e a alta dos gastos levaram o governo a rever a meta de superávit primário para 2014 com a ajuda do Congresso.

Os fatores que poderiam ajudar recuperar a economia não tiveram o resultado esperado. O programa de concessão de rodovias, portos e ferrovias, que impulsionaria os investimentos, sofreu atrasos. A Copa do Mundo impulsionou o turismo, mas praticamente paralisou a indústria e as exportações. Como resultado, o PIB caiu no primeiro e no segundo trimestres, fazendo o país entrar em recessão técnica. No terceiro trimestre, o país voltou a crescer, mas em ritmo insuficiente para reverter o fraco desempenho do PIB no ano.

Além do baixo crescimento, o brasileiro teve de enfrentar mais um ano com inflação próxima do teto da meta. A seca no Centro-Sul refletiu-se nos preços dos alimentos, principalmente da carne, e nas tarifas de energia. Além disso, a disparada do dólar, que acumula alta de mais de 13% em 2014, trouxe impacto sobre os produtos importados e com matérias-primas importadas. Como resultado, o IPCA está, desde agosto, acima do teto da meta. Em novembro, o índice estava em 6,56% no acumulado de 12 meses.

Para segurar a inflação, o Banco Central passou a reajustar a taxa Selic – juros básicos da economia – sucessivamente desde outubro. Atualmente, a taxa está em 11,75% ao ano, no maior nível desde outubro de 2011. Mesmo assim, a autoridade monetária reconhece que o dólar e os preços administrados continuarão a pressionar a inflação em 2015. O IPCA só deve convergir para o centro da meta (4,5%) a partir de 2016.

A combinação de baixo crescimento com a alta da inflação atingiu o caixa do governo. Inicialmente, a Receita Federal projetava crescimento real – acima da inflação – entre 3% e 3,5% da arrecadação em 2014. No entanto, de janeiro a novembro, as receitas estavam 0,99% abaixo do registrado no mesmo período de 2013, descontando a inflação. O próprio Fisco admite que a arrecadação deve encerrar o ano com a primeira queda real desde 2009, auge da crise econômica.

Sem receitas suficientes para cobrir os gastos, o governo passou a economizar menos e a registrar resultados negativos nas contas públicas. De janeiro a novembro, a União, os estados e os municípios acumulam déficit primário de R$ 19,6 bilhões, o pior resultado desde o início da série histórica, em 2001. Para não descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo teve de conseguir a aprovação, no Congresso, de uma emenda à Lei de Diretrizes Orçamentárias autorizando o abatimento da meta fiscal dos gastos com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e da perda de arrecadação com as reduções de tributos, medida que na prática acaba com a obrigação de qualquer esforço fiscal para 2014.

Em meio à crise econômica, o mercado de trabalho apresentou desempenho positivo em 2014. O desemprego continuou baixo. Em novembro, a taxa nas seis principais regiões metropolitanas do país ficou em 4,8%, praticamente estável em relação a novembro do ano passado (4,6%). Pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua), que mede o desemprego em todo o país, a taxa encerrou o terceiro trimestre em 6,8%, também com estabilidade em relação ao mesmo trimestre de 2013 (6,9%).

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati