Autoridades francesas da investigação sobre voo 447 criticam bloqueio a médico-legista

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

17 de junho de 2009

Paris, França


Em entrevista coletiva na manhã de hoje (17), o diretor do Escritório de Pesquisas e Análises para Segurança Aérea (BEA, na sigla em francês), Paul-Louis Arslanian, revelou que um médico-legista de sua equipe foi impedido de participar da necropsia dos corpos recuperados do acidente com o voo 447 da Air France.

O médico, que não teve o nome revelado, estava em Recife na semana passada mas, diante da informação de que não seria autorizada sua participação nos trabalhos de identificação e investigação dos corpos, já teria voltado a Paris.

“Não estou nada satisfeito com essa situação. Se querem saber, não estou feliz”, afirmou Arslanian.

Ele ressaltou, no entanto, que não quer com isso dizer que o Brasil não esteja colaborando com as investigações. Segundo ele, “seria injusto dizer isso”, sobretudo levando em conta o trabalho dos especialistas do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Arslanian ressaltou que o médico-legista enviado pelo BEA para participar dos trabalhos no Brasil tem conhecimento específico sobre investigações de acidentes aéreos. Ele citou a contribuição do especialista nas investigações sobre o voo TWA 800, que explodiu no ar em 1996 quando fazia a rota Nova York-Roma, com uma escala prevista em Paris.

Segundo o diretor do BEA, especialistas franceses ligados à parte jurídica da investigação tiveram acesso ao exame dos corpos desde a semana passada – o que, em sua opinião, não substitui a contribuição que o médico legista poderia trazer. Ele disse também que, até agora, o BEA não recebeu nenhum relatório ou informação que contenham resultados do trabalho de necropsia.

Fonte