Autoridades da Nicarágua proíbem a organização de grandes eventos políticos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de setembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Menos de dois meses antes das eleições gerais de 7 de novembro na Nicarágua, o Conselho Supremo Eleitoral (CSE) juntamente com o Ministério da Saúde informaram os partidos políticos sobre a proibição de realizar comícios ou qualquer outro evento presencial que se reúna no mesmo mais de 200 pessoas durante a campanha eleitoral.

Ambas as autoridades divulgaram comunicado de imprensa conjunto informando que, de 25 de setembro a 3 de novembro, período de campanha, devido à pandemia de COVID-19, os políticos devem priorizar eventos virtuais e abster-se de realizar "eventos massivos frente a frente".

O documento também divulgado na conta do Twitter do CSE cita que serão permitidas “no máximo 200 pessoas”, desde que limitem qualquer atividade a uma hora e meia e sigam os protocolos de saúde para evitar a propagação do COVID-19.

Entre os eventos proibidos estão caravanas de qualquer tipo ou qualquer meio de transporte. Para garantir o "cumprimento estrito" da ordem, o Conselho Superior Eleitoral trabalhará em conjunto com a Polícia Nacional Civil.

Desde o início da pandemia, as autoridades nicaraguenses evitaram implementar qualquer restrição ou medida de contenção. Nos últimos dias, eles relataram um aumento no pico de infecções pelo vírus.

De acordo com a Universidade Johns Hopkins, a Nicarágua relata 13.025 casos de COVID-19 e 202 mortes, o menor número na América Central.

A Universidade de Oxford anunciou recentemente que a Nicarágua é o segundo país da América com a vacinação mais baixa, superada apenas pelo Haiti.

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit