Austrália revê posição e anuncia doação de US$ 165 milhões ao Fundo Verde da ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

10 de dezembro de 2014

Austrália

O governo australiano anunciou hoje (10) a doação de US$ 165 milhões (cerca de R$ 429 milhões, de acordo com a taxa de câmbio de ontem) nos próximos quatro anos ao Fundo Verde para o Clima das Nações Unidas. A verba “facilitará ao setor privado liderar o crescimento econômico na região do Pacífico focando-se nos investimentos em infraestrutura, energia e florestas e nos programas de redução de emissões”, informa comunicado do primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, e da ministra dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop.

Tony Abbott, que aboliu o imposto às emissões de carbono e negou anteriormente contribuir para o fundo, explicou que a contribuição anunciada reflete e responde a uma mudança na situação nos últimos meses, em uma alusão aos passos na luta contra as mudanças climáticas dados pelos Estados Unidos, a União Europeia e a China, entre outros países ou blocos econômicos.

“Creio que é razoável e prudente para o governo fazer uma contribuição modesta e proporcional ao fundo, creio que é algo que um governo sensato faria”, explicou o chefe de governo da Austrália, um dos maiores produtores de carvão e um dos maiores poluidores ambientais per capita do planeta.

Em novembro, durante a Cúpula do G20, os Estados Unidos e o Japão anunciaram contribuições de US$ 3 milhões (aproximadamente R$ 7,8 milhões) e US$ 1,5 milhão (cerca de 3,9 milhões), respectivamente. Posteriormente, outros 21 países se comprometeram com mais US$ 9,3 milhões (pouco mais de R$ 24 milhões).O Fundo Verde para o Clima das Nações Unidas foi criado para gerir transferências de fundos para que os países que são vulneráveis às mudanças climáticas, entre os quais os do Pacífico Sul, possam enfrentar as consequências das alterações e prevenir o seu agravamento.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati