Austrália aceita acordo de longa data para refugiados com a Nova Zelândia

25 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Ativistas saudaram a aceitação da Austrália de um acordo de longa data da Nova Zelândia para reassentar centenas de refugiados detidos há anos em campos offshore no Pacífico. Ele finaliza um acordo assinado há nove anos, quando a Austrália tentava impedir um número recorde de requerentes de asilo que chegavam de barco.

A oferta da Nova Zelândia foi feita em 2013, quando Canberra disse que os requerentes de asilo que vieram por mar nunca seriam reassentados na Austrália. O acordo foi adiado por causa de uma eleição de 2013 que instalou um novo governo australiano de centro-direita.

O novo governo se opôs ao plano de reassentamento da Nova Zelândia porque os ministros o viram como uma porta dos fundos para a Austrália para detidos em campos remotos por causa das regras de residência compartilhadas com a Nova Zelândia.

O acordo foi ativado após nove anos.

Ele permitirá que até 450 refugiados sejam reassentados na Nova Zelândia nos próximos três anos. A Austrália diz que só se aplicará a migrantes que já estão detidos, não àqueles que tentarem uma “viagem marítima ilegal” no futuro. A Nova Zelândia diz que o acordo reflete seu espírito humanitário.

Andrew Giles, ministro-assistente de imigração da Austrália, diz que a medida é uma vergonha para o primeiro-ministro Scott Morrison, que foi ministro da imigração em 2013 e há muito se opõe ao acordo.

“Esta é uma reviravolta absolutamente humilhante”, disse ele. “Não deveria ter levado nove anos e esse é o outro grande pensamento em minha mente; o custo para essas vidas individuais e o custo para todos nós dessa intransigência cruel e sem sentido do Sr. Morrison.”

Os migrantes elegíveis serão examinados pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados, ACNUR.

A Austrália patrocinou dois campos de processamento offshore. Um, na Ilha Manus, em Papua Nova Guiné, foi fechado em 2019.

Mais de 100 refugiados permanecem na pequena república de Nauru, no Pacífico.

Cerca de 1.100 migrantes anteriormente detidos nos campos do Pacífico estão agora na Austrália com vistos temporários.

O acordo da Austrália com a Nova Zelândia não cobrirá todos eles, e o ACNUR disse esperar que haja um “novo ímpeto” para encontrar “respostas compassivas e duradouras” para seu reassentamento.

Ativistas de refugiados disseram que o acordo com a Nova Zelândia era “uma notícia bem-vinda para as pessoas no limbo em Nauru”. destacou “o absurdo” da recusa de Canberra em permitir-lhes refúgio na Austrália.

Fontes