Assessores de Navalny dizem que ele foi envenenado em garrafa de água

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de setembro de 2020

Agência VOA

O agente neurotóxico usado para envenenar o líder da oposição russo Alexei Navalny foi detetado numa garrafa de água vazia encontrada no seu quarto de hotel na cidade siberiana de Tomsk, o que leva a crer que ele foi contaminado ali, e não no aeroporto, como se disse inicialmente.

A revelação foi feita pelos assessores de Navalny que, depois dele ter passado mal num voo da Sibéria para Moscovo, foram ao Hotel Xander de Tomsk, no dia 20 de agosto, e embalaram tudo o que encontraram, de maneira especial as garrafas de água, como confirmam imagens feitas no hotel divulgadas no Instagram daquele opositor.

Laboratórios da Alemanha, França e Suécia determinaram que ele foi envenenado com o agente neurotóxico Novichok, desenvolvido pelos militares soviéticos.

As evidências

"Decidiu-se recolher tudo o que poderia ser mesmo hipoteticamente útil e entregar aos médicos da Alemanha. O fato de que o caso não seria investigado na Rússia é bastante óbvio", lê-no post dos assessores de Navalny.

O vídeo do quarto de hotel abandonado mostra duas garrafas de água numa mesa e o momento em que os assessores de Navalny, com luvas de proteção, colocaram os itens em sacos plásticos azuis.

"Agora entendemos: foi feito antes dele sair do quarto de hotel para ir ao aeroporto", conclui o post.

No início, assessores do político disseram suspeitar que ele havia sido envenenado com um copo de chá que bebeu no aeroporto de Tomsk.

Na Rússia, os médicos russos disseram não ter detetado traços de veneno, mas depois médicos alemães e laboratórios da França e da Suécia confirmaram a presença do químico no corpo de Navalny.

O Governo russo nega qualquer envolvimento.

Alexei Navalny recupera-se num hospital na Alemanha e já respira sem uso de aparelhos, mas o prognóstico sobre a sua recuperação ainda é reservada.

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com