Artistas unem vozes para denunciar abusos contra nicaraguenses e venezuelanos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As vozes das renomadas cantoras, compositoras e ativistas guatemaltecas Rebeca Lane e Sara Curruchich se fundem no Kixampe, um projeto colaborativo que se torna uma forte denúncia da repressão de governos como o da Venezuela, Nicarágua e outros contra seus população.

Kixampe, palavra que significa “venha” em espanhol, estreou no dia 19 de março e é uma canção de resistência e luta, dizem os cantores-compositores, que trabalharam juntos desde a composição da canção até a criação de conteúdos audiovisuais.

“Tomamos as ruas porque são nossas, não de Piñera, não de Maduro, não de Ortega…”, cita um trecho da canção com a qual querem mostrar que a arte é também uma forma de levantar a voz contra as injustiças sociais.

A cantora e compositora Sara Curruchich, afirma que a colaboração visa fazer “um apelo a todas as pessoas para que possam aderir às diferentes lutas dos povos […]. É uma forma de fazer com que os governos que tentaram nos calar vejam que não vamos mais calar”.

Enquanto a rapper guatemalteca Rebeca Lane diz que Kixampe fala dos tempos atuais e é uma homenagem à memória histórica, bem como à luta de povos presos em "falsas democracias" que em algum momento foram apresentadas como uma solução e que aumentaram sua repressão ações usando a pandemia COVID-19 como desculpa.

A nível musical, o tema é cativante e as palavras têm um ritmo próprio. Além disso, os instrumentos que acompanham as letras geram uma articulação que permite uma viagem por diferentes culturas. A música teve uma evolução própria. Começou como um tema mais ligado aos ritmos do rap e do hip hop, mas depois foram acrescentados outros elementos que o fizeram crescer para além destes géneros musicais.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit