Arthur Virgílio afirma que retaliação peemedebista é quebra de decoro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

30 de julho de 2009

Brasília, Distrito Federal, Brasil


O líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), reagiu à decisão do PMDB de apresentar ao Conselho de Ética, na próxima semana, uma representação para que seja investigado. Ele qualificou a iniciativa de “retaliação do senador Renan Calheiros”. O parlamentar afirmou que conversará ainda hoje com o PSOL para analisar se Calheiros não quebrou o decoro parlamentar ao ameaçar com representações senadores que defendem o afastamento de José Sarney da presidência do Senado.

“Isso, para mim, já configura quebra de decoro”, disse Virgílio à TV Brasil. O líder tucano ressaltou que vai continuar apresentando denúncias ao Conselho de Ética contra Sarney independentemente das “ameaças” do senador Renan Calheiros. “Estou investigando corrupção. Fui eu quem denunciou o Agaciel Maia. Essas ameaças podem funcionar para alguns, não para mim”.

O senador confirmou em plenário que o funcionário Carlos Alberto de Andrade Nina Neto, lotado em seu gabinete, recebeu salário do Senado enquanto morava no exterior. Segundo Arthur Virgílio, a dívida com os cofres públicos, por conta desses pagamentos, já começou a ser paga. “Já paguei quase R$ 61 mil”, disse o parlamentar acrescentando que outras outras três parcelas de R$ 50 mil cada serão pagas até outubro.

Sobre a postura de José Sarney de não renunciar ou se afastar da presidência, relatada à Agência Brasil pelo líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), o peessedebista lembrou que, em 2007, quando teve de enfrentar seis pedidos de abertura de processos no Conselho de Ética e ocupava o cargo, o senador alagoano afirmava a mesma coisa.

"Isso [renúncia ou afastamento de Sarney] já não é problema meu. O Renan também dizia a mesma coisa. O Renan tem medo de ser o próximo [a ser denunciado no Conselho de Ética].

Fonte


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati