Arruda anuncia a sua desfiliação do DEM

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

11 de dezembro de 2009

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, confirmou ter se desfiliado do Democratas ontem (10), alegando ser alvo de "um triste espetáculo de cenas e imagens montadas com óbvias motivações políticas". Arruda declarou deixar o partido a fim de poupar os companheiros de legenda de ter que decidir entre saciar a sede por atos radicias e mediáticos, ou julgar com amplo direito de defesa e cumprimento dos prazos estatutários". O governador também alegou querer evitar uma discussão judicial que possibilitasse a sua permanência no partido.

Arruda afirmou que "não disputarei eleição no próximo ano. Quero dedicar-me inteiramente a terefa de cumprir, como governador, todos os compromissos e metas assumidas no programa de governo". A desfiliação de Arruda acaba com os planos do governador de disputar a reeleição no próximo ano já que a lei eleitoral exige pelo menos um ano de filiação a uma legenda para qualquer candidato. Entre os seus correligionários, a interpretação da atitude de Arruda foi diferente.“O DEM lhe impôs, portanto, uma derrota significativa. Ele poderá, agora, acertar as contas com o Distrito Federal, que lhe poderá tirar o mandato e, com a própria Justiça, que lhe poderá impor uma pena severa”, ponderou o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Durante pronunciamento à imprensa - ao fim da qual não respondeu a nenhuma pergunta dos repórteres presentes -, Arruda afirmou que os cortes nas despesas públicas e a exoneração ou transferência de pessoas que antes ocupavam cargos estratégicos no governo acabaram por contrariar interesses pessoais, políticos e empresariais que agora se voltaram contra a sua gestão.

“Fatos ocorridos há mais de três anos, ainda no governo anterior, foram embaralhados para incutir na opinião pública a impressão de que tudo se passa no tempo presente”, disse o governador, ladeado por sua esposa e por secretários de governo. “A farsa montada foi o recurso usado pelos meus adversários para me tirar da disputa de 2010. Tudo porque as pesquisas eleitorais me davam ampla vantagem”.

Citando as realizações de sua administração e a responsabilidade de preparar Brasília para ser uma das cidades brasileiras a sediar a Copa do Mundo de Futebol de 2014, Arruda disse que, afastado da vida partidária, irá se dedicar às questões administrativas, “desinteressado de qualquer tipo de resultado eleitoral” e a lutar “pela mudança definitiva de certos usos e costumes da política brasileira”.

“Não posso permitir que essas conquistas sejam postas a perder, que a administração pública seja paralisada e a população do Distrito Federal prejudicada. Estamos com mais de 2 mil obras em andamento e vamos concluir todas elas”, disse Arruda. E completou, “o país necessita de uma ampla e profunda reforma. Com as atuais regras eleitorais, não disputarei mais nenhuma eleição”.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati