Apoio japonês à Ucrânia é “bastante natural”, diz analista

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

18 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O avião de carga da Força de Autodefesa Japonesa este mês continha coletes à prova de balas, capacetes e outros equipamentos militares não letais – muito diferentes dos mísseis, drones e outras armas que muitos países ocidentais enviaram aos ucranianos que lutavam contra a invasão da Rússia.

A decisão do Japão de enviar equipamentos militares para a Ucrânia ainda marcou um grande passo para Tóquio, cuja constituição pacifista há décadas mantém o país fora de conflitos militares estrangeiros.

“Esse tipo de missão é o primeiro caso para nós, mas faremos o possível para entregar rapidamente [o equipamento] à Ucrânia”, twittou o Ministério da Defesa do Japão, referindo-se à remessa de 9 de março.

Embora as autoridades japonesas digam que não têm planos de enviar armas para a Ucrânia, o Japão está na linha de frente de um esforço liderado pelo Ocidente para pressionar a Rússia usando meios diplomáticos e econômicos.

O Japão impôs sanções aos oligarcas russos, congelou ativos de bancos russos e nesta semana revogou o status comercial de nação mais favorecida da Rússia.

Também enviou US$ 100 milhões em ajuda humanitária de emergência para a Ucrânia e facilitou o caminho para aceitar os ucranianos que fogem dos combates – um movimento notável em um país há muito relutante em aceitar refugiados estrangeiros.

As medidas não apenas ressaltam a mudança mais ampla do Japão em direção a uma política externa mais assertiva, mas também mostram que Tóquio se tornou mais ousada em se alinhar com o Ocidente e defender os princípios que sustentam a ordem internacional liderada pelos EUA.

O apoio à Ucrânia é “bastante natural”, já que o Japão é “um dos maiores beneficiários da paz e estabilidade globais”, disse Matsumoto Koichiro, vice-secretário de gabinete para assuntos públicos do Gabinete do Primeiro Ministro Japonês.

“Atribuímos grande importância a valores universais como democracia, estado de direito e direitos humanos, incluindo a liberdade de expressão. Sabemos pela nossa experiência que quando as pessoas pararem de lutar por esses valores, estaremos dando chances e espaços para regimes autoritários”, disse Matsumoto.

“Como as pessoas na Ucrânia estão lutando por esses valores que moldam nossa sociedade, apoiá-los de qualquer maneira que pudermos é a única maneira”, acrescentou.

Fontes