Apoio à democracia no mundo cresceu no contexto da invasão da Ucrânia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

30 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As pessoas em todo o mundo valorizam cada vez mais a democracia, tendo como pano de fundo a invasão da Rússia na Ucrânia. Isso é evidenciado pelos resultados de uma pesquisa internacional de grande escala "Índice de Percepção da Democracia". A pesquisa abrangeu mais de 52.000 entrevistados em 53 países e foi realizada de 10 de março a 30 de maio. Pesquisadores apontam que a pesquisa representa 75% da população mundial.

Um número recorde de entrevistados (84%) em 53 países acredita que é importante ter democracia em seus países.

“A invasão da Ucrânia por Putin reorientou as mentes das pessoas e mostrou que não podemos tomar nossas liberdades como garantidas”, disse Anders Rasmussen, chefe da Alliance for Democracy Foundation, que conduziu a pesquisa.

“As pessoas que vivem em democracias querem ver mais unidade para combater a ascensão das forças autocráticas e estão pedindo aos governos que façam mais para ajudar os ucranianos a lutar por um futuro democrático”, acrescentou.

A maioria dos entrevistados em 31 dos 52 países apoia o rompimento dos laços com a Rússia devido à invasão da Ucrânia. O maior apoio para a ruptura de laços na Europa, Estados Unidos, Canadá, Japão e Coreia do Sul, segundo o estudo. Dos países europeus, apenas a Grécia e a Hungria preferiram manter as relações com a Rússia em vez de cortá-las. Muitos países da Ásia, Norte da África e Oriente Médio são a favor da manutenção de laços com a Rússia.

A UE, os EUA e a OTAN não estão fazendo o suficiente para ajudar a Ucrânia a combater a agressão russa, 46% disseram, 43% dizem que o suficiente está sendo feito e 11% dizem que muito está sendo feito.

Atitudes negativas em relação à Rússia são limitadas à Europa e outras democracias liberais, de acordo com uma pesquisa do The Guardian. A publicação aponta que atitudes positivas em relação à Rússia prevalecem na China, Indonésia, Egito, Vietnã, Argélia, Marrocos, Malásia, Paquistão e Arábia Saudita.

As atitudes dos entrevistados na China e na Rússia são muito positivas em relação a ambos os países, respectivamente, e à preservação dos laços econômicos entre os países. As pessoas nesses países também têm uma atitude negativa em relação aos Estados Unidos e, na maioria das vezes, uma atitude negativa em relação à UE.

Fontes