Apesar das sanções, Europa continua a financiar a Rússia por gás e petróleo

Fonte: Wikinotícias

2 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As nações ocidentais continuam pagando à Rússia centenas de milhões de dólares todos os dias pelas importações de gás e petróleo, apesar das duras sanções impostas aos setores bancário e de aviação do país após a invasão da Ucrânia.

Com cerca de 40% do petróleo e gás da Europa importados da Rússia, os governos estão lutando para encontrar alternativas. Os ministros da União Européia se reuniram na segunda-feira em Bruxelas para discutir como quebrar a dependência.

Dependência da Rússia

“Todos os dias gastamos 350 milhões de euros, que damos ao sistema russo, para poder investir em armas, que estão caindo na cidade de Kiev e em outros lugares hoje. nosso povo, precisamos reavaliar essa dependência de combustíveis fósseis”, disse Eamon Ryan, ministro do meio ambiente, clima e comunicações da Irlanda, à Reuters.

A Rússia fornece cerca de um terço do gás da Europa, e os números mais recentes mostram que as importações aumentaram desde a invasão da Ucrânia. O preço em alta torna o comércio ainda mais lucrativo, e analistas dizem que não há alternativas rápidas.

“Acho que o Ocidente vai tentar continuar a adiar as sanções ao setor de petróleo e gás”, disse Douglas Rediker, membro não residente da Brookings Institution, com sede em Washington.

Importação de gás

A Alemanha está entre os estados da UE mais dependentes da energia russa. Na semana passada, anunciou o cancelamento do gasoduto Nord Stream 2, de US$ 11 bilhões, da Rússia.

Executivos da indústria de gás dizem que o combustível fóssil continuará sendo vital para a economia da Alemanha.

“Temos que pensar no futuro”, disse Timm Kehler, diretor administrativo da Zukunft Gas Association, à Reuters. “A Alemanha precisará de mais gás porque a produção doméstica está diminuindo, porque também precisamos de mais usinas a gás, porque também usaremos mais gás em outros setores industriais para atingir as metas climáticas. E temos que responder à pergunta: ‘De onde virá o gás no futuro?’ O Nord Stream 2 desempenhou um papel muito central nisso até agora.”

Fontes