Após reunião com o governo, hoteleiros devem diminuir em 20% os preços das diárias de hospedagem para a Rio+20; autoridades internacionais confirmam presença no evento

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

11 de maio de 2012

Rio de Janeiro, RJ, Brasil — Os preços das diárias de hotéis do Rio de Janeiro durante o período da Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, vão cair em pelo menos 20%. A diminuição foi negociada entre o governo, a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (Abih) e a operadora de turismo contratada pelo Ministério das Relações Exteriores para intermediar os contratos com as delegações estrangeiras.

O presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), Flávio Dino, disse que a negociação será fechada na segunda-feira (14) e que o governo espera chegar a uma redução maior. “Fizemos o apelo pela redução e a indústria hoteleira, junto com a empresa contratada pelo Itamaraty, fez uma proposta de diminuição superior a 20%. O percentual final vai ser definido na segunda-feira. Queremos a máxima redução possível. Temos uma expectativa de ultrapassar os 20%, chegar a uma queda de 30%”, avaliou.

O governo decidiu fazer um apelo à indústria hoteleira depois que o Parlamento Europeu anunciou na última quarta-feira (9) que havia desistido de enviar uma delegação de eurodeputados para a conferência por causa dos preços abusivos da hospedagem. No mesmo dia, o presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), também informou que a Casa não pagaria diárias para os deputados durante a conferência por causa dos preços altos.

“Não há, neste momento, um quadro de cancelamento generalizado por causa dos preços. Foram casos isolados. A ação do governo foi no tempo certo, exatamente para que não houvesse um efeito multiplicador, o que poderia comprometer o sucesso da conferência ou mesmo a imagem do Brasil”, disse Dino.

O governo reuniu, para a negociação com os hotéis, um pelotão de ministros: a chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann; das Relações Exteriores, Antonio Patriota; da Justiça, José Eduardo Cardozo; e o advogado-geral da União, ministro Luís Inácio Adams, em uma reunião de mais de três horas no Palácio do Planalto.

A redução de preços será retroativa, ou seja, valerá para delegações que já contrataram hospedagem para o período. O acordo também prevê o fim da exigência de hospedagem mínima de sete dias, que estava sendo feita pelo setor hoteleiro. “Externamos a posição de não haver pacote mínimo de sete dias e tanto a indústria hoteleira como a operadora concordaram em abrir mão desse pacote mínimo”, declarou o presidente da Embratur.

Segundo Dino, a interferência do governo na questão não tem caráter intervencionista nem quer impor um tabelamento de preços à rede hoteleira. “O governo não pretende revogar a lei da oferta e da procura, o que estamos é fazendo um apelo à indústria hoteleira, para que, mesmo diante do aquecimento da demanda, cobrem preços mais compatíveis com o mercado de eventos”.

Apesar do provável acordo, o governo não descarta outras medidas para coibir abusos nos preços. “Se depois da negociação houver uma nova denúncia de abuso, o governo vai agir, seja negociando, seja pelos instrumentos de controle de que dispõe, a partir da ação, por exemplo, do Ministério da Justiça”, ressaltou o presidente da Embratur.

Conferência[editar]

Os modelos de desenvolvimento aplicados no mundo inteiro perderam a capacidade de responder aos novos desafios e estão gerando crises que afetam os três pilares do desenvolvimento sustentável (ambiental, social e econômico). Sem uma alteração muito clara em padrões de produção e consumo, não se conseguirá a sustentabilidade. Essa é a avaliação e opinião é do secretário-executivo da Comissão Nacional para a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), embaixador Luiz Alberto Figueiredo. Para ele, quem tem que liderar essas mudanças são os países ricos, que possuem padrões de produções e consumo insustentáveis.

Segundo Figueiredo, que participou hoje (11), no Rio de Janeiro, de debate com profissionais da mídia sobre a Rio+20, essas mudanças de padrões envolvem, pelo lado da produção, o uso mais racional e eficiente de recursos naturais e de energia, além do aprimoramento de processos produtivos e, pela área do consumo, maior educação e alterações culturais que levem as populações a “não testarem os limites do planeta”.

Para Figueiredo, a conferência, que terá início daqui a um mês, no Rio de Janeiro, é a oportunidade de os países lançarem um olhar para os próximos 20 anos e mudarem os modelos atuais.

Quando se fala em padrões de produção e consumo, quem tem que liderar [essa mudanças] são os países ricos, que têm claramente os padrões mais insustentáveis. Não é possível achar razoável exigir que a nova classe média da Índia ande de bicicleta para salvar o planeta, se a classe média nos países desenvolvidos tem dois carrões na garagem. (...) Há crise nos três pilares do desenvolvimento sustentável e não é à toa. Algo não está sendo feito de maneira correta. Se continuamos fazendo o tempo todo a mesma coisa, nada muda. Ou se perpetua ou se agrava a situação. A Rio+20 é fundamental para sabermos como fazer certo para responder a essas crises.
Luiz Alberto Figueiredo

Figueiredo ressaltou que essa mudança precisa envolver novos padrões de produção e consumo, capazes de integrar as dimensões social, ambiental e econômica: “Não há possibilidade de desenvolvimento sustentável com fome, com estagnação da economia ou destruição ambiental. As três áreas têm que estar juntas.”, disse.

O embaixador destacou que as decisões de implementar mudanças precisam envolver não apenas os governos presentes à conferência, mas a sociedade como um todo, incluindo as famílias e as empresas do setor privado que, segundo ele, têm papel fundamental nesse processo.

Ele lembrou que eventos como a Rio+20 ocorrem “na melhor das hipóteses” uma vez a cada dez anos e enfatizou a urgência das mudanças. “Não podemos deixar essa oportunidade passar. Esta é a hora de decidirmos realmente o futuro que queremos”, destacou.

O embaixador Figueiredo defende a busca por uma convergência entre os dois modelos extremos de consumo: “Temos que buscar uma contração dos que estão abusando e um aperfeiçoamento dos que não têm nada para que cheguemos a um padrão que o planeta aguente, que o planeta sustente”, acrescentou.

Chefes de Estados e Governos[editar]

Os presidentes Jacob Zuma (África do Sul) e Vladimir Putin (Rússia), além dos primeiros-ministros da Índia, Manmohan Singh, e da China, Wen Jiabao, confirmaram participação na Conferência Rio+20, de 20 a 22 de junho, no Rio de Janeiro. Todos pertencem ao chamado BRICS.

No começo desta semana, o presidente eleito da França, François Hollande, que elogiou a política social do Brasil, também confirmou sua vinda ao país para o evento.

Por enquanto, 116 chefes de Estado e de Governo informaram que estarão presentes às discussões. Muitos governos enviarão ministros e assessores para o evento por dificuldades com a agenda política interna. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, por exemplo, está em campanha pela reeleição.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse que o desafio da conferência é buscar o consenso, sem acentuar as diferenças.

“A proposta da Rio+20 é lançar um olhar crítico, com equilíbrio e [buscando resolver as] lacunas, mostrando as áreas que avançamos. Os países individualmente podem mostrar isso, mas existem outras áreas em que os avanços foram negligenciados”, disse o chanceler, definindo as dificuldades em alinhavar consensos.

Porém, segundo Patriota, os desafios não podem afetar a expectativa de que a Rio+20 consagrará um marco sobre preservação ambiental, desenvolvimento sustentável e economia verde, definindo um novo padrão para o setor. “A diplomacia consiste em conciliar multiplicidade de interesses. O interessante nesses objetivos é que se dirigem a todos os países da comunidade internacional.”

O porta-voz do Itamaraty, embaixador Tovar Nunes, acrescentou ainda que, como anfitrião do evento, o Brasil tem o papel de ser promotor da busca de consensos. “Como anfitriões, os brasileiros devem servir como uma espécie de ponte entre as polarizações existentes, buscando a consolidação de uma agenda positiva”, disse ele.

Nos debates que antecederam à conferência e durante a Rio+20, os brasileiros destacarão a necessidade de conciliar as questões relativas à preservação ambiental, ao desenvolvimento sustentável e à economia verde com inclusão social. As autoridades querem mostrar que os avanços registrados no país credenciam o Brasil para a proposta.

Nas discussões, os brasileiros também defenderão a participação de populações excluídas nos debates. Graças a isso, haverá um espaço exclusivo para esses grupos e para as organizações não governamentais no Aterro do Flamengo, no Rio, denominado Cúpula dos Povos.

Confirmações[editar]

O diretor do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil no Rio de Janeiro (Unic Rio), Giancarlo Summa, informou hoje (11) que dos 193 países-membros da Organização das Nações Unidas (ONU), 183 já confirmaram presença na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20).

Summa, que participou nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro, de um debate com profissionais da mídia sobre a Rio+20, acrescentou que 135 presidentes, vice-presidentes ou primeiros-ministros dessas nações se inscreveram para discursar durante a reunião.

Também presente ao debate, o secretário executivo da Comissão Nacional para a Rio+20, embaixador Luiz Alberto Figueiredo, classificou o número de participantes como “expressivo”, principalmente se comparado aos presentes à Rio 92, que foi pouco superior a 100.

“Há um grande interesse internacional, o tema de fato é fundamental. Países com saldo devedor talvez não venham, mas os que estão crescendo, se desenvolvendo bastante virão”, disse.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, enfatizou durante o debate, que mesmo os países que não participarem da Conferência das Nações Unidas terão que discutir os assuntos tratados no evento, e que integrarão o documento final, em outros fóruns regionais realizados após a Rio+20. “Estaremos com economias expressivas e os países que deixarem de vir vão lamentar”, disse.

A expectativa, segundo a ONU, é que jornalistas de várias partes do mundo trabalhem na cobertura da Rio+20, que deve reunir milhares de participantes dos mais variados setores da sociedade civil no Rio de Janeiro durante os dias 20, 21 e 22 de junho.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati