Antigos trabalhadores angolanos na Alemanha planeiam manifestação

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Delegação do Governo não conseguiu resolver pagamentos devidos aos antigos trabalhadores da ex-RDA.

2 de dezembro de 2014

Continua sem solução a reivindicação de angolanos que trabalharam na antiga Republica Democrática Alemã (RDA), nome oficial da extinta Alemanha Oriental, ao abrigo de um acordo com o Governo angolano.

Com a queda do Estado comunista muitos desses angolanos disseram que nunca lhes foi pago o que lhes era devido .

Uma delegação governamental enviada à Alemanha para tentar resolver o problema não teve sucesso, disseram à VOA os antigos trabalhadores.

Aqueles que permaneceram na Alemanha periodicamente têm-se manifestado para exigir o que dizem ser-lhes devido.

Eles voltam a sair às ruas na próxima sexta-feira, dia 5, para exigir ao Governo o pagamentos dos seus salários.

A equipa técnica do Ministério do Trabalho chefiada pelo Director Nacional para Segurança Social, Jesus Maiato chegou à Alemanha na passada quarta-feira para dialogar com os manifestantes, só que segundo os antigos trabalhadores, nem se quer se conseguiram reunir.

Miguel Cabango acusou a delegação de “arrogância” e o embaixador local de “encobrir impostores” que dizem representar os ex-trabalhadores.

Para Cabango, isso levanta suspeitas de que “o senhor embaixador tirou dividendos no processo de devolução do dinheiro dos ex-trabalhadores".

Miguel Cabango apela uma vez mais à intervenção do Presidente da República para que o seu Governo pague o que deve.

"O caso está por resolver-se há mais de 24 anos e por isso apelamos mais uma vez ao Presidente da República, José Eduardo dos Santos para resolver a situação antes mesmo de terminar o ano de 2014”, disse.

O porta voz daqueles angolanos na Alemanha disse que está a ser planeada uma marcha junto do Parlamento europeu em Bruxelas mas para já está marcada uma manifestação em Berlim no próximo dia 5 de Dezembro.

Não houve até agora qualquer reacção por parte das autoridades angolanas.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati