Angola celebra 42 anos de independência

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

João Lourenço diz que vai ser preciso "muita inteligência, disciplina e sobretudo, coragem"

11 de novembro de 2017

Hoje, 11 de novembro de 2017, Angola celebra os seus 42 anos de independência, quando na mesma data, só que em 1975, Agostinho Neto proclamou na madrugada, a independência da então colônia ultramarina de Angola, depois de mais de 400 anos sob o domínio luso. No entanto, no mesmo dia da independência, iniciava a guerra civil entre os angolanos, que estavam juntos em luta armada contra a colonização portuguesa desde 1961, que só termina em 2002.

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, defendeu neste sábado 11 de Novembro, no município da Matala (Huíla) a independência económica de Angola para que a independência política alcançada a 11 de Novembro de 1975 seja completa.

Falando no acto central de comemoração dos 42 anos de independência nacional, João Lourenço, disse que a grande batalha doravante passará pelo desenvolvimento económico e melhor distribuição da renda nacional, objectivos que exigirão "muita inteligência, disciplina e sobretudo, coragem".

João Lourenço garantiu a aposta em neutralizar aqueles que buscam servir-se em detrimento do bem comum e prometeu continuar a operar mudanças na gestão de alguns sectores públicos do país para se ter melhor domínio dos instrumentos de governação.

Esse exercício vai continuar porque só organizando e moralizando a actuação do sector público da economia teremos moral de exigir a mesma a atitude e comportamento do sector privado da economia.

João Lourenço

João Lourenço destacou a figura e obra de António Agostinho Neto o primeiro presidente de Angola a quem coube a proclamação da independência nacional cuja luta referiu tinha sido iniciada pelos diferentes reis que dominaram o país.

Na Matala o Presidente da República manifestou o seu desejo de desenvolver uma presidência aberta que passará igualmente por deslocações regulares ao interior do país.

Depois da minha presença na abertura do ano agrícola em Catchiungo no Huambo e mais recentemente em Cabinda, onde realizámos uma reunião da comissão económica dedicada sobretudo aos projectos de infra-estruturas públicas daquela província, é minha intenção deslocar-me com regularidade ao interior do país. Pretendo pois desenvolver uma presidência aberta que torne mais próxima a relação entre governantes e governados.

João Lourenço

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati