Angola Fala Só: Bilhete de Identidade de Francisco Falua

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Angola.

Agência VOA

31 de julho de 2015

O Angola Fala Só desta Sexta-feira, 31, convida Francisco Falua, Secretário Nacional da UNITA para a mobilização geral. Cinturão negro de karaté, Francisco Falua foi também secretário da UNITA em Luanda e secretário provincial no Kwanza Norte e é oficial do exército na reserva.

Ser patriota é duvidar, é criticar e contribuir para a preservação dos grandes ganhos do país, disse o Secretário Nacional da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) pra a Mobilização Geral, Francisco Falua.

Falua falava no programa “Angola Fala Só” em que frisou a necessidade de se garantir eleições livres em 2017 e em que também defendeu a necessidade da tolerância e do respeito pelos direitos garantidos na constituição.

“Ser patriota é reconhecer os feitos de outros patriotas”, disse Falua que acusou o partido governamental Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) de não admitir que “patriotas reconheçam o que está mal”.

Este dirigente da UNITA disse que no passado foi este tipo de intolerância que levou á guerra acusando as autoridades de seguirem uma política de “exclusão e repressão” e avisou que a contínua repressão de manifestações poderá resultar em “manifestações violentas”.

Interrogado sobre a actual situação da UNITA, o Secretário para a Mobilização deste partido afirmou que o seu partido “está em crescimento generalizado” particularmente na capital e “nas províncias do centro e sul”.

“A UNITA está a trabalhar arduamente para vencer as eleições de 2017”, disse Falua que frisou no próximo congresso da UNITA no final este ano haverá pela primeira vez a participação da sociedade civil fornecendo as suas ideias para “o desenvolvimento da UNITA e do país”.

O responsável pela mobiliação deste partido disse não poder afirmar se Isaías Samakuva continuará ou não na presidência do partido pois as candidaturas só serão conhecidas em Novembro. Até agora houve apenas uma anunciada candidatura, a de Abílio Kamalata Numa.

Em resposta a uma pergunta, Francisco Falua disse que os estatutos da UNITA não permitem que haja um candidato á presidência do país, diferente do presidente do partido.

O presidente do partido será assim o candidato da UNITA à presidência caso os actuais estatutos se mantenham, disse.

Falua manifestou preocupação pelo “esvaziar das competências da Comissão Nacional de Eleições a favor do executivo” mas manifestou optimismo que em 2017, “o povo estará ali para minimizar qualquer fraude”.

Interrogado sobre as prisões de 15 activistas e a repressão de uma manifestação de protesto na Quarta-feira, Falua recordou que o direito à manifestação e reunião estão garantidos pela constituição, e que “a polícia deveria ser o garante o direitos propalados pela constituição”.

O dirigente da UNITA disse que uma manifestação de apoiantes do MPLA não tinha sido impedida pelas autoridades.

“Não sabemos quem é o garante da lei”, afirmou.

“Neste país parece haver uma única força autorizada a manifestar-se onde, como e como bem quer”, acrescentou.

Um ouvinte quis saber porque a UNITA e a oposição em geral não iniciam processos em tribunal contra o Presidente Eduardo dos Santos por violação da constituição, ao que Francisco Falua respondeu que a UNITA tem processos contra o governo que “estão adormecidos” nos tribunais.

Por outro lado os tribunais já tinham afirmando não ter competência para julgar o presidente.

“Não há separação dos poderes em Angola”, disse Falua

Biografia

Nome: Francisco Fernandes Falua

Data de Nascimento: 2 Dezembro 1968

Local de Nascimento: Município do Rangel - Luanda

Estado civil: Solteiro

Filhos: 6

Profissão: Secretário Nacional da UNITA para a mobilização geral

Formação: Técnico médio de Educação Física e Desportos pelo Instituto de Educação Física e Desportos de Luanda; Técnico Prisional pela Escola Naconal dos Serviços Prisionais de Angola; Estudante finalista de Psicologia pelo ISCAE; Oficial do exército na reserva

Destino em Angola: Golungo Alto no Kwanza Norte - por ser a terra dos pais

Lema de vida: "Não valer pelo que sou mas pelo que faço"

Curiosidades: Não é supersticioso, conversa consigo mesmo; é cinturão negro de karaté.

Hobbies: Desporto

A ler: "O monge e o executivo" de James Hunter - explica como se tornar um líder servidor

Música: Semba. Gosta de Paulo Flores na generalidade mas destaca a música "Makalakato"

Distinções: Medalha provincial de Karaté

Detenções: A primeira foi em 1991, na Lunda Norte, por ter sido conotado com a UNITA; a segunda foi em 1999 na Zâmbia porque estava a fazer contactos para angariar géneros e medicamentos para as populações em territórios dominados pela UNITA; a terceira foi em 2006, no Kwanza Norte, aquando do atentado a Isaías Samakuva, presidente da UNITA, em Camabatel, no Kwanza Norte.

Onde estava 11 de Novembro de 1975? Em Luanda, no Rangel, a sensivelmente 500 metros da base principal da FNLA. Na altura vivíamos um momento eufórico. Havia um sentimento de satisfação. Havia festas, saques a estabelecimenentos comerciais, disparos com armas de fogo mas festivos.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati