Angola Fala Só, Adalberto Katchiungo: "Cada povo tem o Governo que merece"

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

24 de março de 2017

Angola deve adoptar uma lei de amnistia económica para esquecer os crimes económicos do passado e poder iniciar um novo capítulo na sua historia, defendeu Adalberto Katchiungo, fundador do Movimento de Unidade e Democracia para Angola–Frente Patriótica, (MUDA – FP).

Katchiungo defendeu esta posição no programa “Angola Fala Só”, afirmando que a corrupção abrangeu todos os sectores e políticos do país pelo que o melhor e é o pais virar-se para o futuro.

“Devemos discutir o futuro e não vivermos no passado”, sublinhou.

Adalberto Katchiungo foi secretário executivo da CASA-CE na província da Huíla antes de abandonar a coligação para lançar a MUDA–FP que, contudo, ainda não legalizado pelas autoridades judiciais.

Este antigo dirigente provincial da CASA-CE disse que “dois factores fundamentais” tinham levado à sua decisão de deixar a organização.

A primeira deve-se, segundo afirmou, ao facto de lhe ter sido negada informação sobre a formação da CASA-CE, uma “sonegação que durou quase cinco anos”.

“Ao tomarmos conhecimento do acordo constitutivo ficamos a saber que a CASA-CE é uma organização precária do ponto de vista jurídico e politico”, revelou.

Esse acordo, continuou o também economista, previa a extinção da CASA-CE após a legislatura resultante das eleições gerais de 2012 e podia, além disso, ser extinta por deliberação de dois terços dos seus membros queno total, são quatro partidos.

“Isso significa que nós durante esse tempo todo fomos trabalhando com a acorda ao pescoço”, acrescentou Katchiungo, para afirmar ter ficado claro que desde o início não havia qualquer acordo para transformar a organização num partido politico.

Por outro lado, acrescentou, a direcção de Abel Chivukuvuku “foi-nos mostrando que não está numa agenda enquadrada directamente nessa organização”.

“Parece que tem outras agendas paralelas”, afirmou Katchiungo, revelando que decisões tomadas por órgãos da CASA-CE são "depois anuladas".

Adalberto Katchiungo afirmou no programa que não se pode deitar todas as culpas da situação de Angola para o MPLA.

“Cada povo tem o Governo que merece”, justificou.

“Podemos queixar-nos do MPLA mas não podemos deixar de queixarmo-nos de nós mesmos pois fomos nós que deixamos o MPLA ficar 41 anos no poder”, acrescentou.

Para Katchiungo “o povo angolano deve ser mais consciente” e recordou que “a democracia conquista-se não se oferece”.

Adalberto Katchiungo definiu o MUDA–FP como um movimento de carácter “social democrata-cristão”, e afirmou acreditar no princípio de “menos Estado e mais mercado”.

“O Estado deve ser a excepção e o mercado o normal, e para isso temos que abrir as fronteiras”, defendeu, afirmando que Angola não pode pensar que é auto-suficiente e precisa de abrir fronteiras “ao capital e know how”.

Adalberto Katchiungo defendeu a adesão do país à zona da SADC.

O economista defendeu uma reorganização da administração de Angola, com a criação de “regiões administrativas” baseadas nas autarquias.

Na óptica do promotor do MUDA-FA, a situação de Cabinda podia ter sido resolvida com um sistema de autonomia, baseado, por exemplo, na região autónoma dos Açores em relação a Portugal ou na região de estatuto especial de Hong Kong em relação à China.

Interrogado se seria bom para a oposição ter mais um partido em vésperas de eleições, Adalberto Katchiungo respondeu que “um novo partido é uma outra opção”.

“O país tem um deficit de debate e esse deficit começou em 1992”, concluiu.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati