Angola: Tráfico humano é real

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

A revelação consta do relatório anual do Departamento de Estado americano.

28 de julho de 2015

Angola é ponto de origem e destino para o tráfico de homens, mulheres e crianças para sexo e trabalhos forçados. O documento afirma que angolanos continuam a ser forçados a trabalhar na agricultura, pesca, construção civil, serviços domésticos e no sector mineiro artesanal de diamantes.

Os países de destino incluem Portugal e Holanda. A informação consta do relatório anual do Departamento de Estado dos Estados Unidos, que no entanto, o relatório faz notar os esforços do Executivo angolano para lidar com a situação.

O documento acusa cidadãos chineses de explorarem crianças angolanas em fábricas de tijolos, na construção e na produção de arroz, e acrescenta, por outro lado, que mulheres chinesas são recrutadas por grupos chineses e companhias de construção com promessas de trabalho, mas são depois forçadas a se prostituírem para pagarem o custo das suas viagens.

Imigrantes chineses, de países do sudeste asiático, namibianos, quenianos e possivelmente congoleses são também forçados a trabalhar na indústria da construção frente a ameaças de violência, confiscação dos seus passaportes e detenção.

O relatório do Departamento de Estado indica ainda que rapazes angolanos são levados para a Namíbia para trabalhar no "pastoreio de gado", enquanto outros são "forçados" a servir como "mensageiros" nas redes ilegais do comércio intra-fronteiriço.

No sentido inverso, o Governo americano revela que mulheres do Vietname e do Brasil são alvo de tráfico para prostituição em Angola, juntamente com chinesas e congolesas, que também realizam trabalhos forçados no país e são vítimas de vários tipos de violência.

O relatório diz que o Governo angolano não cumpre totalmente os padrões mínimos para a eliminação do tráfico humano, mas acrescenta contudo que “está a fazer esforços significativos” neste sentido.

O Executivo, revela o documento, “tem manifestado um cuidado maior nas questões de tráfico humano e fez esforços para melhorar a sua capacidade para combater esse crime”.

Nas recomendações a Angola, o relatório exorta as autoridades a utilizarem as disposições do código penal recentemente revisto "para investigar e reprimir as infracções" no trabalho forçado e no "tráfico sexual", bem como a "continuar a formar a polícia" e a "investigar sistematicamente o tráfico de trabalho no sector da construção" entre outras medidas.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati