Angola: Congresso internacional de toxicologia arranca em Malanje

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

25 de novembro de 2014

Arrancou hoje, 25, em Malanje o I Congresso Internacional de Toxicologia Angola 2014 com a participação de mais de 500 delegados nacionais, em torno do lema “Por uma nova concepção da toxicologia em Angola para a contribuição na melhoria da qualidade de vida das populações”.

O reitor da Universidade Lueji A'Nkond, Samuel Carlos Victorino disse que o encontro de Malanje vai alicerçar pilares de desenvolvimento da universidade e referiu que desde o princípio a Faculdade de Medicina de Malanje “elegeu a toxicologia com a sua área de inserção em termos de investigação científica e desde, então, vem desenvolvendo essa área com muito vigor”.

A conferência, disse, “é apenas o culminar desses esforços que têm sido desenvolvidos nesta área científica”.

Quatro conferências magistrais marcaram as primeiras comunicações, após a sessão de abertura a cargo do ministro angolano do Ensino Superior, Adão do Nascimento.

Os “Desafios da problemática da investigação científica na saúde e benefício para a sociedade”, “Principais factores que influenciam o desenvolvimento da Toxicologia em Angola e contribuem para a melhoria da qualidade de vida da população”, “A experiência Brasileira na produção de soros antiofídicos” e o “desafio científico e técnico: a vigilância epidemiológica e o desenvolvimento de novas tecnologias para o tratamento dos acidentes ofídicos em Angola” dominaram os cursos.

Ontem, 24, foram realizados seis cursos pré-congresso que abordaram aspectos ligados com a toxicologia em dois períodos.

À tarde os cursos ministrados estiveram relacionados com “Actualização sobre alcoolismo agudo. Um problema em Angola”, “Estratégia para a prevenção dos acidentes provocados pela exposição aos pesticidas” e “O desenho experimental em nanotoxicologia”.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati