Aneel mantém bandeira verde nas contas de energia de maio

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

24 de abril de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Hoje (24), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou que manterá a bandeira verde em maio, ou seja, sem cobrar taxas adicionais aos clientes. O mesmo aconteceu em abril. Este é o quarto mês consecutivo que não há cobranças. Segundo a agência, a decisão de manter a bandeira verde ocorreu devido à restauração do nível de água nos reservatórios, devido às chuvas próximas ao padrão histórico em abril.

"Em abril, os principais reservatórios de hidrelétricas do Sistema Interligado Nacional (SIN) apresentaram recuperação de níveis em razão do volume de chuvas próximo ao padrão histórico do mês. A combinação de reservatórios mais elevados com o impacto das medidas de combate à pandemia do Covid-19 sobre o consumo de eletricidade sinaliza manutenção da elevada participação das hidrelétricas no atendimento à demanda de energia do SIN, sem a necessidade de acionamento do parque termelétrico de forma sistêmica", informou a Aneel.

Segundo a agência, as chuvas refletem na manutenção dos preços da energia no mercado de curto prazo (PLD) e nos custos associados aos riscos hidrológicos (GSF). PLD e GSF são duas variáveis ​​que determinam a cor da bandeira.

Esse sistema tarifária foi criado pela Aneel para determinar o custo real da energia gerada, "permitindo que os consumidores façam bom uso da eletricidade". As bandeiras funcionam em três cores: verde, amarelo ou vermelho (nos níveis 1 e 2, respectivamente), indicando quanta energia é consumida de acordo com as condições de geração.

Para cada 100 kWh consumidos, a taxa adicional na bandeira amarela é de R$ 1,34. Quanto à bandeira vermelha de nível 1, a cobrança é de R$ 4,16 por 100 kWh e no nível 2 é de R$ 6,24 por 100 kWh. A bandeira verde não agrega taxa adicional.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com