Alegados comentários anti-semitas do Paquistão geram controvérsia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As autoridades paquistanesas rejeitaram na sexta-feira as alegações de que o ministro das Relações Exteriores do país fez comentários anti-semitas em uma entrevista para a televisão na quinta-feira, enquanto discutia o conflito israelense-palestino.

A polêmica surgiu depois que o ministro das Relações Exteriores, Shah Mahmood Qureshi, disse à âncora da CNN, Bianna Golodryga, que Israel está perdendo "a guerra da mídia, apesar de suas conexões". O âncora rapidamente pediu ao líder paquistanês que explicasse essas "conexões".

“Eles [Israel] são pessoas muito influentes”, respondeu Qureshi. “Quero dizer, eles controlam a mídia.”

O âncora da CNN respondeu, dizendo "Eu chamaria isso de uma observação anti-semita".

Os críticos rapidamente acessaram o Twitter para denunciar os comentários de Qureshi.

No entanto, o Ministério das Relações Exteriores rejeitou essas afirmações em um comunicado na sexta-feira, dizendo que as declarações não poderiam ser "interpretadas como anti-semitas por nenhum esforço da imaginação".

“Qualquer distorção dada aos comentários do ministro das Relações Exteriores, infelizmente, provaria exatamente o que ele estava defendendo”, disse a declaração, “O direito à liberdade de expressão deve ser respeitado igualmente por todos”.

Funcionários do governo paquistanês e comentaristas da mídia social defenderam os comentários de Qureshi.

“É hora de rejeitar e contrariar essa falsa narrativa. Já é suficiente. Não podemos ser intimidados ou chantageados por tais narrativas porque não carregamos o fardo da história que o Ocidente está tentando colocar sobre nossos ombros”, escreveu ela.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit