Administração de Biden considera agilizar o reassentamento de refugiados ucranianos com conexões nos EUA

Fonte: Wikinotícias

16 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Marta Havryliuk e seu filho de 13 anos, Ostap, moravam em Busk, oblast de Lvivska, quando a Rússia invadiu a Ucrânia.

“No início, havia dúvidas sobre ir ou não", disse Havryliuk via Skype de Varsóvia. "Mas depois, quando (os bombardeios) estavam se aproximando, ficou assustador. Eu estava com medo pelo meu filho”, disse ela.

Havryliuk decidiu que era hora de se juntar à irmã no estado de Illinois, no centro-oeste dos EUA.

Ela e Ostap entraram no carro e foram para a Polônia. Eles chegaram a 7 quilômetros da fronteira antes que o engarrafamento os obrigasse a abandonar o carro e caminhar.

“A fila para o controle de passaportes estava tão apertada. Fomos pressionados de todos os lados. Foi assustador. Então, uma briga começou. Fomos empurrados para fora da fila. Fomos empurrados três vezes e tivemos que voltar”, disse. ela disse. Seu filho ficou doente. “Passamos quase 24 horas nesses seis ou sete quilômetros. Foi aterrorizante. Ostap queria muito dormir, ele era nocivo, seu rosto ficou verde. Ele estava implorando para dormir, mas como você dormiria?”

Quando chegaram à fronteira, o processamento foi rápido. Quando eles cruzaram para a Polônia, voluntários em Medyka lhes deram sopa quente, chá, guardanapos e produtos de higiene e os ajudaram a encontrar o caminho para Varsóvia.

Mas a mãe e o filho ainda estavam muito longe de sua irmã em Illinois.

Embora o presidente Joe Biden tenha dito que os EUA deveriam admitir refugiados ucranianos, o processo de reassentamento de refugiados pode levar de três a cinco anos.

“Acolherei os refugiados ucranianos. Devemos recebê-los aqui de braços abertos se precisarem de acesso”, disse Biden na sexta-feira.

Defensores dos direitos humanos estão pressionando as autoridades americanas a acelerar o processo de reunir refugiados com parentes nos EUA. A CNN foi a primeira a relatar que o governo está considerando isso.

Fontes