Activista denuncia ameaça contra pais em Angola a partir de Portugal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Polícia diz que é preciso apresentar queixa

15 de janeiro de 2019

Os pais de um activista que denuncia o envolvimento de oficiais do Serviço de Investigação Criminal (SIC) no tráfico de drogas na província angolana de Benguela, com uma rede de prostitutas pelo meio, estão a ser alvo de ameaças de indivíduos ligados aos visados em publicações feitas a partir de Portugal.

Autor de denúncias que incluem ainda o tráfico de armas, o jovem Salazar Sabalo conta que o seu pai, a residir no Lobito, é um homem inseguro, mas avisa que estas ameaças de agressões físicas não vão condicionar o que faz.

Em 2013, o então comandante da Polícia e delegado provincial do Interior, comissário António Maria Sita, dizia que muita droga pesada circulava por Benguela, uma província estratégia para os barões, cuja identidade não revelou.

Seis anos depois, o activista Salazar Sabalo, que usa as redes sociais para o seu exercício de cidadania, denuncia o envolvimento de oficiais do SIC, funcionando, conforme detalha, enquanto protectores dos supostos traficantes, jovens identificados nas publicações.

Trata-se, avança a fonte, de um esquema que envolve armas, raparigas associadas à prostituição, ao abrigo do qual os policiais andarão a receber propinas mensais.

À VOA, Salazar Sabalo conta que os seus pais estão a ser intimidados por pessoas próximas aos visados.

"A preocupação dos meus pais é a insegurança. Nas ameaças, eles dizem que o senhor não pode andar muito por causa do seu filho que faz denúncias que não devem ser feitas. Chegam mesmo a insinuar que podem até ir às bruxas para lhe fazer mal física e espiritualmente", conta Sabalo, ao garantir que "a cidadania não vai parar, a mudança exige sacrifícios".

O porta-voz da delegação provincial do Interior, Pinto Caimbambo, sugere uma participação das ocorrências à Polícia, mas o activista apresenta reticências.

"Não apresentou ainda nenhuma queixa, porque ele teme, o Lobito é pequeno… eu também não acredito na Polícia, os comandantes formam uma quadrilha. Se ele for apresentar queixa, as pessoas ficarão a saber da sua morada e de outros dados da família’’, justifica o activista.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati