Abel Chivukuvuku acusa Governo angolano de não se antecipar às seitas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Líder da Casa-CE diz ter havida uma matança no monte Sumé, Huambo.

30 de abril de 2015

O presidente da Casa-CE apelou hoje, 30, a uma maior atenção do Governo angolano às seitas religiosas no país e acusa o Executivo por não se antecipar à situação que se vive hoje com a seita A Luz do Mundo.

Mais de 900 seitas religiosas ilegais, muitas delas com práticas anti-sociais, continuam a praticar os seu cultos em Angola.

Em entrevista à VOA, Abel Chivukuvuku, que ontem esteve na montanha do Sumé, no Huambo, disse que essas seitas podem criar o mesmo problema que se vive actualmente com a A Luz do Mundo.

Entretanto, Chivukuvuku condena a reacção do Governo a esses fenómenos socias ao invés de antecipar-se aos mesmos.

“O que nos disseram é que a unidade que está aí foi transferida em Fevereiro deste ano, o que significa que foi premeditada ou seja já tinha sido planeado isso que nós condenamos”, disse afirmado ainda que “houve muita matança pelo que vimos”.

O presidente da terceira maior formação política do país Abel Chivukuvuku afirma que após a destruição de mesquitas muçulmanas e agora com o caso seita de Kalupeteca o Executivo angolano devia prevenir-se das consequências que são visíveis.

“Tal como esta de Kalupeteca existem mais de 900 seitas com práticas anti-sociais, mas o Governo devia antecipar-se a esses fenómenos, mas não”, concluiu o líder da Casa-CE.

De recordar que ainda se desconhece o paradeiro de José Julino Kalupeteka.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati