A um ano das eleições, Lula surge como favorito para ser o novo Presidente do Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lula (2015)

17 de novembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Em Outubro do ano que vem, milhões de brasileiros vão estar apertando este botão na urna electrónica. Confirmando o voto para o novo presidente do Brasil, que vai assumir o cargo no dia primeiro de janeiro de 2023.

Mas pra chegar lá o País inteiro vai enfrentar um ano eleitoral como nunca antes visto na democracia brasileira. A eleição promete ser polarizada, disputada e com um final imprevisível.

De um lado, Bolsonaro.

O atual Presidente quer um segundo mandato, que vai precisar enfrentar uma queda na popularidade devido ao enfrentamento da pandemia. No mês passado, o Presidente terminou acusado de crime contra a humanidade na CPI da Covid, no Senado brasileiro. Também pesa contra Bolsonaro os ataques ao STF e também aos piores índices na economia, com alta da inflação, desemprego e baixo crescimento.

Do lado oposto, um ex-Presidente, Luiz Inácio Lula da Silva.

Preso por mais de um ano devido às acusações de corrupção, o petista quer colocar a esquerda novamente no poder, mas pra isso deve enfrentar a resistência de parte da população com os escândalos de corrupção envolvendo o seu partido.

Nas pesquisas actuais é Lula quem leva vantagem. Os últimos levantamentos divulgados aqui no Brasil mostram o ex-Presidente com chances, inclusive, de vencer o pleito na primeira volta. Lula aparece com 57% dos votos válidos no levantamento do Vox Populis, contra 27% de Bolsonaro. No Instituto Exame a vantagem é de 48 a 31%.

“Não podemos subestimar Bolsonaro porque ele é o presidente. Ele tem um núcleo forte de apoiadores e a depender do movimento dos adversários ele ainda pode buscar a reeleição. Não é um cenário impossível”, avalia Rodrigo Prando, cientista político.

Lula ainda não oficializou a candidatura, mas tem viajado pelo mundo todo pra construir alianças num possível governo. Na semana passada, visitou o parlamento europeu e fez um discurso já como candidato.

Fonte



Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit