Saltar para o conteúdo

A morte de pelo menos 112 palestinos que buscavam ajuda humanitária em Gaza gera ampla condenação internacional

Fonte: Wikinotícias

1 de março de 2024

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A morte na quinta-feira de pelo menos 112 palestinos que buscavam ajuda humanitária na cidade de Gaza gerou ampla condenação internacional na sexta-feira, após o que testemunhas e autoridades de saúde de Gaza disseram ser o resultado do fogo israelense. Israel contesta isso, dizendo que muitas pessoas se atropelaram e foram atropeladas por caminhões de ajuda em fuga.

Funcionários do hospital de Gaza relataram inicialmente um ataque israelense contra a multidão na rotatória de al-Nabusi, na parte ocidental da Cidade de Gaza. Testemunhas disseram mais tarde que as tropas israelenses abriram fogo enquanto as pessoas retiravam farinha e enlatados dos caminhões de ajuda.

Pouca ajuda chegou ao norte de Gaza nas últimas semanas e a fome é galopante. As Nações Unidas alertaram que a fome é iminente.

Inicialmente, as autoridades israelitas reconheceram que as tropas abriram fogo, dizendo que o fizeram porque pensaram que as pessoas que corriam em direcção aos camiões de ajuda "representavam uma ameaça".

Mas numa declaração em vídeo publicada na quinta-feira na plataforma de mídia social X, anteriormente conhecida como Twitter, um porta-voz das Forças de Defesa de Israel disse que as tropas dispararam apenas “alguns tiros de advertência” para dispersar as pessoas.

“Nenhum ataque das FDI foi conduzido contra o comboio de ajuda”, disse o porta-voz, contra-almirante Daniel Hagari, acrescentando que tanques israelenses estavam presentes para garantir um corredor humanitário para a passagem do comboio de 38 caminhões.

As IDF também disseram inicialmente que “dezenas de pessoas foram mortas e feridas por serem empurradas, pisoteadas e atropeladas por caminhões”. Hagari repetiu isso, dizendo que “milhares” de habitantes de Gaza chegaram ao comboio de ajuda.

“Alguns começaram a empurrar violentamente e até atropelar outros moradores de Gaza até a morte, saqueando os suprimentos humanitários”, disse Hagari.

Ele disse que a ajuda seria distribuída por empreiteiros privados e que as FDI realizaram operações de socorro semelhantes nas últimas quatro noites sem incidentes.

“Este último evento precisa ser investigado minuciosamente”, disse a porta-voz da Casa Branca, Olivia Dalton, aos repórteres a bordo do Força Aérea Um, que viajava com o presidente Joe Biden para a fronteira entre os EUA e o México.

Dalton classificou o incidente no norte de Gaza como “tremendamente alarmante e de profunda preocupação para nós”. Ela disse que a perda de vidas foi “profundamente trágica”.

“Também pensamos que este evento sublinha a necessidade de uma ajuda humanitária alargada para chegar a Gaza”, acrescentou.

Notícia Relacionada[editar | editar código-fonte]

Na Wikipédia há um artigo sobre Massacre de Al-Rashid.

Fontes[editar | editar código-fonte]