A constitucionalidade na antecipação das eleições em meio a crise política

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de junho de 2016


Por Ana Paula Ribeiro, Caroline Oliveira, Giselle Porto, Marina Felix, Téo França e Veronica Maluf


As questões jurídicas que envolvem a constitucionalidade da antecipação das eleições gerais se colocam aos olhos da sociedade civil, e até da sociedade política, sob uma ótica, por vezes, nebulosa. Com a crise política e econômica no país, essa questão surge com ênfase nos debates sobre quais seriam as possíveis saídas para atravessar o desemprego, a baixa confiança internacional e os arredores da crise. Há quem sustente o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o qual está sendo julgado pelo Senado Federal. Outros defendem a legitimidade do governo eleito, excluindo qualquer possibilidade de crimes de responsabilidade fiscal. Para além dessas duas alternativas, quando se trata de novas eleições a grande questão é a constitucionalidade.


Aqueles que são contrários à antecipação das eleições gerais dizem que não há embasamento constitucional para isso, uma vez que, ao convocar novas eleições, a periodicidade do mandato do governo eleito, prevista na Constituição, seria desrespeitada. Além disso, tal decisão acabaria, segundo eles, por invalidar e usurpar a vontade popular, violando o princípio democrático. Na contramão deste argumento, os favoráveis às novas eleições defendem a proposta dizendo que não há empecilhos, pois a decisão de voto seria devolvida ao povo, o qual retornaria às urnas, principalmente caso houvesse um plebiscito popular.


Mesmo no meio jurídico, é possível destacar divergências de opiniões e diferentes formas de interpretação e análise da Constituição. Para Thomaz Pereira, professor da FGV Direito do Rio e mestre em direito pela Universidade Yale, a antecipação das eleições gerais "não viola a soberania popular. Emendas que aumentassem o mandato de um presidente ou que determinassem a sua substituição por eleição indireta violariam esse princípio. Não é o caso. O que se propõe são novas eleições diretas." Já para Ivar Hartmann, professor da FGV Direito Rio e doutorando em direito constitucional na UERJ, "a proposta de novas eleições é por natureza suspeita porque constitui uma alteração pontual, excepcional. Apenas Dilma teria acesso a essa "saída honrada". (...) Há uma expressa proibição de realizar emendas durante estado de defesa ou de sítio. Alterar regras essenciais do jogo político durante uma gravíssima crise política também é suspeito e exige como fundamento alguma necessidade especial." Com base nos artigos de opinião publicados na Folha de S.Paulo, em 9 de abril de 2016, de Thomaz Pereira, a favor da constitucionalidade das eleições gerais antecipadas e de Ivar Hartmann, contra, convidamos cientistas políticos e especialistas em Direito Constitucional para elucidar esse debate.


Para o professor de Filosofia do Direito, Ciência Política e Introdução ao Estudo do Direito, Silvio de Luiz de Almeida, há a possibilidade técnico-jurídica para convocar novas eleições se a emenda à Constituição for precedida de um plebiscito. Porém o problema maior para o professor se encontra nos jogos políticos e, as influências dentro das quais, estão inseridos. Segundo Almeida, “as maiores ameaças à democracia sempre revestem-se de forma jurídica”, assim como aconteceu com o nazismo, a escravidão e a ditadura militar, e podem ameaçar o Estado Democrático de Direito sobre uma legitimidade manufaturada segundo interesses individuais. Por isso, torna-se ainda mais nebuloso se levarmos que novas eleições podem ser instrumentalizadas para benefícios próprios. "A Constituição não é clara sobre essa possibilidade [de uma emenda constitucional legal para novos representantes] nos artigos em que trata disso [artigos 73 e 87]. Diante do impasse, novas eleições talvez pudessem fornecer mínimas condições de legitimidade para um governo, além de forçar um debate público sobre as medidas socioeconômicas de combate à crise", salienta Almeida.


Jonathan Marcantônio, professor da USP e especialista em direito constitucional, também corrobora com essa ideia ao dar ênfase à maneira como o Congresso Nacional está estruturado, “de maneira perversa”, sendo este o nosso “grande problema político” (ouça aqui a entrevista na íntegra). Se a convocação de novas eleições gerais gera polêmicas acerca de sua constitucionalidade, o âmbito político em que ela se daria, caso fosse de fato realizada, geraria ainda mais. Porém, para além das influências da classe política, Marcantônio prevê que a antecipação das eleições não fere nenhuma das cláusulas pétreas da Constituição, tal como por exemplo a soberania popular. Mas a questão central está na política, em que se encontra o cerne das posições em jogo.


Os opositores do impeachment argumentam que a falta do crime de responsabilidade exigido pela Constituição Federal para a deposição da presidente sugere golpe. Segundo Leonardo de Aguiar Silveira, mestre em Direito Penal, "Estão tirando a Dilma do governo porque acham ela uma má governante, mas no Brasil não existe mecanismo constitucional para afastar o presidente por esse motivo". Silvio Luiz de Almeida concorda, "do ponto de vista político, o impeachment é algo traumático, terrível. Não pode ser banalizado como instrumento de disputa entre facções". No entanto, quando se trata da questão da antecipação, Jonathan Marcantônio traz a tona a instrumentalização dos votos e o fato de que Dilma e Temer (presidente interino com o impeachment da presidente afastada), não se apresentam como opções politicamente viáveis. Mesmo Temer tendo assumido, existe um debate de sua viabilidade a longo prazo. Com isso, a ideia de clamar por novas eleições ganha força.


Os fatos políticos são implacáveis por não serem estáticos. A cada semana acontece algo, um ministro é demitido, deflagra-se novas operações de investigação acerca de políticos e afins. O cenário político atual está em uma dinâmica que, por vezes, não permite análises futuras. Prever com certezas o que poderá acontecer caso haja a convocação das eleições gerais, agora ou futuramente, abre espaço para postulações incertas. O que se pode dizer é que novas eleições são colocadas como, assim como Marcantônio aponta, uma terceira via ao que está posto com o atual presidente interino Michel Temer.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati