Ações contra a ONU por epidemia no Haiti ameaçam imunidade legal da organização

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de janeiro de 2015

ONU

Três ações movidas por haitianos contra a Organização das Nações Unidas (ONU) colocam em xeque a imunidade diplomática e legal da entidade e a expõem a um dos maiores constrangimentos internacionais desde a sua criação, em 1945, segundo a advogada e coordenadora do Programa de Cooperação Internacional do Instituto Igarapé, Eduarda Hamann.

Em janeiro de 2010, quando o Haiti foi devastado por um terremoto, milhares de missões de todo o mundo desembarcaram no país com o objetivo de ajudar os haitianos a se recuperar do desastre. Além da destruição do terremoto, outra tragédia assolou o país em outubro daquele ano: uma epidemia de cólera, doença que nunca havia sido registrada no país em quase 100 anos. No total, já foram registrados 720 mil casos, o equivalente a 7% da população do país.

Embora não haja provas concretas da origem da doença, investigações apontam que a epidemia coincide com a chegada de um contingente de militares do Nepal – onde a doença é endêmica – que foi dar apoio a vilas do interior e montou acampamento próximo ao Rio Artibonite, principal fonte de água do Haiti. A transmissão da bactéria do cólera se dá pela ingestão oral de dejetos fecais de doentes, principalmente na água contaminada.

O surto de cólera, que já matou cerca de 8,7 mil pessoas no Haiti, levou vítimas e parentes de vítimas a entrarem com três processos contra a ONU, todas em tribunais dos Estados Unidos, onde fica a sede da organização. O último processo foi apresentado no primeiro semestre de 2014, em nome de 1,5 mil haitianos. As ações requerem, em geral, a compensação financeira das vítimas, um pedido público de desculpas da ONU e a instalação de sistema de água e esgoto no país.

Os advogados das vítimas alegam que a ONU foi responsável pelo início da doença no Haiti e cometeu negligências graves por não checar as condições de saúde dos militares oriundos de um país com a doença, por falhar em manter bons padrões sanitários nos acampamentos e por não tomar as medidas imediatas necessárias para combater o surto. Em alguns casos, segundo os advogados, a organização chegou a dificultar as investigações e esconder exames.

Em sua defesa, a ONU atribui as causas da epidemia a uma confluência de fatores, como as precárias condições sanitárias e de saúde do Haiti, além de citar a imunidade diplomática da organização. Sem assumir a culpa da entidade, no entanto, o secretário-geral Ban Ki-moon está engajado na arrecadação de recursos para um fundo de US$ 2,2 bilhões para erradicar, em uma década, a cólera da ilha de Hispaniola, onde ficam o Haiti e a República Dominicana.

A questão, no entanto, além da indenização que pode chegar a bilhões de dólares, envolve outros elementos legais e morais que a tornam um dos maiores constrangimentos da história da ONU, na avaliação de Eduarda Hamann. A imunidade legal da organização está presente na Carta das Nações Unidas e no Estatuto da Corte Internacional de Justiça, na Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Nações Unidas e no acordo entre a ONU e o governo do Haiti sobre o status da operação no país.

A especialista explica que somente a entidade pode renunciar a sua imunidade. Foi o que também afirmou, na última sexta-feira (9), o juiz federal J. Paul Oetken, de Manhattan, que rejeitou uma das ações afirmando que a capacidade da ONU para bloquear ações judiciais contra ela foi estabelecida em convenção internacional de 1946.

Os advogados das vítimas já anunciaram que vão recorrer da decisão, alegando que a ONU violou obrigações de tratados internacionais. Segundo eles, ao deixar de criar uma comissão de reparação, instrumento previsto nos tratados e que determina uma análise independente do caso, inclusive com a possibilidade de indenizações às vítimas, a ONU não deu alternativa aos haitianos para clamarem seus direitos a não ser pelas ações na justiça dos Estados Unidos. “Esse fato é uma grande tragédia para as Nações Unidas porque a expõe a uma das causas que ela mesma defende, que é a proteção dos direitos humanos. Não porque fez intencionalmente, mas por ter sido omissa e negligente”, avaliou Eduarda Hamann

Segundo ela, embora prevista nos acordos de várias missões da ONU, a comissão reparadora nunca foi criada em nenhum caso. “Qual o custo político de se criar esse precedente? Quantas comissões serão pressionadas pra ser criadas no mundo? E o custo político da quebra da imunidade? Quebrando a imunidade, quantos outros casos poderiam ameaçar a imunidade na história da ONU?”, questionou a especialista.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati