63.ª Assembleia Geral da ONU teve tradução em Português

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Attention niels epting.svg
Como parte da política de proteção do Wikinotícias, esta notícia está protegida.

25 de setembro de 2008

Representantes das Delegações dos estados membros numa abertura de uma Assembleia-geral das Nações Unidas em Nova Yorque Foto: Marcello Casal JR/ABr/Agência Brasil.

Segundo um comunicado informativo da Presidência da Republica Portuguesa: "a Presidência Portuguesa da CPLP decidiu assegurar a tradução do Português por ocasião da abertura e debate geral da 63ª Assembleia-Geral das Nações Unidas, que se inicia no próximo dia 23 de setembro", assim e desta forma pela primeira vez os Chefes das Delegações Nacionais dos países membros da CPLP puderam exprimir-se em português.

A tradução simultânea das suas intervenções para as línguas oficiais das Nações Unidas, a saber inglês, francês, espanhol, russo, árabe e chinês, foi assegurada depois de Portugal ter assumido os custos com a tradução simultânea para as línguas oficiais da organização

Essa iniciativa decorre das decisões tomadas na Cimeira de Lisboa da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu em julho e onde foi acordado lançar um conjunto de acções com vista à promoção do português como "língua global", sendo o português a terceira língua europeia mais falada no mundo, depois do inglês e do espanhol e falado por mais de 200 milhões de pessoas, dá-se assim o inicio ao processo de transformar esta língua como a setima língua oficial das Nações Unidas.

A CPLP delineia estratégia para tornar português como a setima língua oficial das Nações Unidas

Na quarta-feira num almoço realizado entre os oito Chefes das Delegações Nacionais dos países da CPLP, em que se incluíam Lula da Silva e Cavaco Silva, estes acordaram em dar os passos necessários para que a língua portuguesa se torne na setima língua de trabalho na Organização das Nações Unidas.

Segundo Cavaco Silva o "almoço de trabalho foi uma reunião histórica", pois foi "desenvolvida uma estratégia» para tornar o português numa língua oficial da ONU, que envolve um custo «de alguma dimensão», mas «a importância política é de tal monta que justifica que os países se juntem para suportar os custos".

Lula da Silva também considerou importante o facto da língua portuguesa poder vir a ser "língua oficial nas Nações Unidas" pois "não tem sentido nenhum" esta não o ser.

Para além de uma língua de trabalho oficial

Mas os objectivos são mais ambiciosos do que e só o português ser uma língua de trabalho oficial das Nações Unidas, segundo Cavaco Silva, a CPLP pretende implementar também o ensino da língua portuguesa dentro da própria Organização das Nações Unidas, que é algo que já é feito por outras organizações e países.

Para além disso pretende-se aumentar o número de falantes em português que trabalham nas Nações Unidas, sendo que Portugal tem não só António Guterres como Alto-Comissário da ONU para os Refugiados (ACNUR) como também Jorge Sampaio como Alto-representante da ONU para o Diálogo das Civilizações, a convite do actual Secretário-geral das Nações Unidas (tendo sido anteriormente e por dois anos o Enviado especial do plano da ONU para "acabar com a tuberculose").

Também foi defendido nesse almoço e segundo Cavaco Silva, que a CPLP deve levar a cabo "uma maior concertação política entre os Estados-membros" bem como se pensa em envolver esta organização em operações de paz, porque "será mais fácil impor o português quando esta comunidade for vista como uma comunidade política e cultural".

Fontes