“Procuro um país mais seguro para viver”: mulher trans se sente desprotegida na Venezuela

Fonte: Wikinotícias

11 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Na saída de um supermercado, alguns homens a param para uma revista corporal. Na rua, um policial lhe diz que a festa a fantasia acabou. Em uma calçada, um homem sussurra palavrões em seu ouvido. Em casa, um cara a ameaça com um soco.

Jessie Herrera, 21, é uma mulher trans venezuelana em busca de um “país mais seguro para viver”. Ele considera que o Estado venezuelano “não protege as mulheres em geral, muito menos as mulheres trans.”

Durante 2021, um feminicídio foi registrado na Venezuela a cada 36 horas, segundo o Utopix Femicide Monitor, uma organização não governamental que defende os direitos das mulheres. A Utopix alerta que em janeiro deste ano, o número aumentou para uma mulher morta a cada 32 horas, com 23 homicídios. Apenas oito dos agressores estão na prisão.

Para Herrera, as mulheres trans na Venezuela são duplamente discriminadas. “Nossa identidade de gênero nem é reconhecida e não temos leis que nos protejam especificamente”, disse esta jovem que começou a transição em 2020.

“Eu sempre soube, mesmo antes de aceitar minha identidade de gênero, que se me tornasse uma mulher trans, teria que deixar o país porque não seria feliz aqui, não estaria segura”, diz Jessie, que tem como destino a Argentina.

A Venezuela, um país fervorosamente conservador e religioso, fica para trás em termos de direitos para a comunidade LGBTQ+ e até agora não respondeu às demandas para permitir legalmente a mudança de identidade com base no gênero.

E para Jessie, entregar um currículo pode ser uma verdadeira dor. “Mesmo em momentos de necessidade, tenho tido muito medo de ter que me candidatar e apresentar um currículo com nome e RG que não me pertencem.”

Também alega que “quando eles sabem que você é trans, eles o rejeitam.”

É por isso que ela considerou recorrer ao trabalho sexual online. “Estaria mentindo se dissesse que nunca pensei nisso” em tempos de grande necessidade financeira.

Jessie estuda Arte na Universidade Central da Venezuela e Física na Universidade Simón Bolívar, em Caracas. E ela trabalha na web como tradutora e professora de idiomas.

Fontes