“O meu sonho é ser o Presidente da República de Angola”, diz estudante

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Angola.

Agência VOA

Sabalo Salazar já vendeu água e já cavou pedras para ganhar dinheiro a fim de continuar os estudos.

8 de fevereiro de 2015

Sabalo José Moisés Salazar, de 26 anos, é natural do Lobito, província de Benguela. Está a cursar o primeiro ano de Direito na Universidade Autónoma de Lisboa, em Portugal.

Ele explica porque foi estudar em Portugal: “A qualidade de ensino em Angola não estava correspondendo às minhas expectativas, então, fui além das minhas possibilidades para poder me formar para corresponder à expectativa de Angola”.

Salazar tem um sonho. Quer disputar as eleições para presidente de Angola depois de 2030. Para isso, ele tenciona preparar-se muito bem. Pretende fazer mestrado, e depois doutoramento."Sonho liderar meu país de uma maneira mais ampla e abrangente para todos os angolanos”.

Salazar é um homem determinado. Em 2007, ele e a namorada foram trabalhar como missionários no município do Caimbambo. Após dois meses, perceberam que o nível de analfabetismo no município era muito alto, e voltaram para a província de Benguela.

Com cerca de oito semanas casaram-se e retornaram para o Caimbambo para começar o projecto sem fins lucrativos chamado RVS (Restaurando Vidas: Problemas Sociais).

O casal começou a dar aulas de alfabetização e reforço escolar para crianças e adultos em sua própria casa. Após 2 anos da abertura do projecto, eles começaram a receber um pequeno apoio do governo. Segundo Salazar, após três anos de trabalho no Caimbambo foi possível erradicar o analfabetismo no município.

“Nos deram um desafio para poder formar os professores de alfabetização e formamos em todas as comunas", acrescenta. Salazar diz que hoje muitas pessoas já estão na sétima classe ou até mesmo na oitava.

Para ele, isso é muito importante. Sua família é bastante grande: 43 irmãos. Mas é o único filho que conseguiu terminar o técnico médio. “Eu sou a única pessoa da minha família que está em uma universidade” acrescenta.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati