Índios protestam contra PEC que permite ao Congresso homologar terras indígenas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de dezembro de 2014

Brasil

Flechas, corridas de toras, danças e cantos tradicionais deram o tom da manifestação que reuniu hoje (4) 50 indígenas dos povos Apinajé, Krahô, Kanela do Tocantins, Xerente, Krahô Kanela e Karajá de Xambioá, todos do estado do Tocantins. Na Praça dos Três Poderes, em frente ao Palácio do Planalto, os índios protestam contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 215, que transfere ao Congresso a prerrogativa de homologação de terras indígenas.

“Estamos aqui para defender nossas terras, a demarcação [de terras indígenas] e para dizer à presidenta Dilma Rousseff que não precisamos da PEC 215. Viemos para dizer isso no Senado e na Câmara dos Deputados. Lutaremos até o fim para que a PEC seja engavetada”, informou o índio Wagner Krahô Kanela.

Os indígenas também protestaram contra a indicação da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e integrante da bancada ruralista no Congresso, para o Ministério da Agricultura. Uma foto de Kátia com a presidenta Dilma serviu de alvo e foi crivada de flechas.

“A senadora Kátia Abreu não foi eleita com nosso voto. É uma vergonha colocá-la no Ministério da Agricultura”, disse Wagner. “A Kátia Abreu não é dona da terra. Não somos nós, indígenas, os donos da terra? Precisamos viver em paz”, completou a indígena Gercina Krahô. De acordo com o Palácio do Planalto, ainda não há qualquer confirmação sobre quem vai assumir a pasta.

A manifestação ocorre pacificamente na Praça dos Três Poderes. Segundo representantes do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), o objetivo dos índios é passar a noite no local. Eles armaram, inclusive, uma pequena tenda com galhos e folhas, reforçando a intenção de ficar por várias horas em frente ao Palácio do Planalto.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati