África-Brasil: Jair Bolsonaro será o primeiro Presidente a não visitar um país africano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Jair Bolsonaro com Vladimir Putin em novembro de 2019

3 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Será a primeira vez que um Presidente brasileiro não visita nenhum país africano

As viagens do Presidente brasileiro durante o seu mandato, que termina no fim do ano, mostram a mudança na política externa do país.

Um levantamento feito pela VOA das viagens de Jair Bolsonaro ao exterior mostram como a agenda de relações internacionais mudou no Brasil sob o comando dele.

Nos primeiros 38 meses das gestões de Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula Silva e Dilma Rousseff, a América do Sul foi o continente mais visitado, com a vizinha Argentina na liderança.

No Governo Bolsonaro, esse posto ficou com a Ásia, com predomínio para países do Médio Oriente.

Entre os últimos quatro presidentes, Bolsonaro foi o que menos visitou países: 26 vezes. Os Estados Unidos lideram a lista, com cinco visitas, a maioria para estar com o então Presidente Donald Trump.

O professor de Relações Internacionais, Vinicius Ferreira, explica que isso parte de uma mudança de como o Governo brasileiro se insere na política externa.

“Bolsonaro priorizou Trump e Putin por uma visão ideológica. São pares que compartilham a visão dele”, explica aquele especialista.

Outro dado muito curioso, é que vai ser a primeira vez que um Presidente brasileiro não visita oficialmente nenhum país africano durante o seu mandato.

Países como Angola e Moçambique receberam os últimos três presidentes brasileiros.

Para vários analistas, esta tendência mostra um afastamento do Brasil da África.

“Ele tem uma visão de mundo que coloca o Brasil ao Ocidente - mesmo não sendo - e se afasta de parceiros históricos”, explica o professor Vinicius Ferreira, embora não é esta visão que o mundo tem do Brasil.

Ele acredita que se for eleito outro Presidente, a partir de 2023 a política externa brasileira será diferente.

Fontes